Um passeio por Sergipe: roteiro de 8 dias em Aracaju e no interior

Voltamos!

E vamos continuar nossa sequência de roteiros para quem está vindo à Sergipe e quer chegar aqui já sabendo exatamente o que fazer. Nesta postagem, apresentamos um roteiro de 8 dias de viagem à Sergipe e pode parecer que basta pegar o roteiro anterior e tirar um ou outro passeio e pronto! Tá feito! Mas essa não é nossa proposta. Claro que existem alguns lugares que estarão presentes em todos os roteiros, principalmente na capital sergipana. Mas, o mais legal é variar; então, você vai perceber que neste roteiro terão alguns locais e passeios que não foram citados no anterior. Assim, você poderá escolher entre seguir esta nova opção ou mesclar com as sugestões que já foram dadas (e aquelas que ainda vão aparecer nas próximas postagens). Isso não quer dizer que um é melhor do que o outro, tudo depende do que você mais curte fazer e do que tem como prioridade conhecer. Não dá pra conhecer completamente tudo de uma única vez. Por isso, recomendamos que volte mais vezes para fazer vários roteiro diferentes! 😀

Agora, vamos lá!

O Centro de Arte e Cultura J Inácio na Orla de Atalaia possui uma enorme variedade de itens de artesanato típicos do estado

O Centro de Arte e Cultura J Inácio na Orla de Atalaia possui uma enorme variedade de itens de artesanato típicos do estado

1º dia: Bem-vindo à Aracaju – o Celi Hotel Aracaju, como grande parte dos hotéis da cidade, fica na Orla de Atalaia. Por este motivo, neste roteiro, vamos iniciar o seu passeio por aqui, para que você possa conhecer o mais famoso cartão postal da capital sergipana. A urbanização da Orla de Atalaia inclui diversas opções de lazer para toda a família que vão muito além da praia. Iniciando o passeio próximo ao farol, siga na direção sul e vai começar encontrando o Centro de Cultura e Arte J. Inácio e a Feira do Turista. Este dois locais estão muito próximos e podem ser visitados durante o dia ou a noite (o centro de cultura funciona até às 21h e a feira até a meia-noite, todos os dias da semana). Mas você pode aproveitar para fazer este passeio durante o dia. Como a Feira do Turista abre às 8h, aproveite para conhecer o local, logo após o café da manhã, lá, além de comprar lembrancinhas, você vai conhecer algumas guloseimas que são bem comuns por aqui como as queijadas e diversos doces com mangaba (uma fruta que é tipicamente sergipana).

Os arcos da Orla de Atalaia são cartão postal da cidade de Aracaju

Os arcos da Orla de Atalaia são cartão postal da cidade de Aracaju

Depois, visite o Centro de Cultura, que abre às 9h, e aproveite para se informar sobre os mais variados tipos de artesanato sergipano, inclusive sobre a renda irlandesa, que foi tombada como patrimônio nacional pela forma como é desenvolvida no município de Divina Pastora, no interior do estado. Depois disso, dê uma pausa, tome uma água de coco e se refresque um pouco. Mais à frente, tem o Oceanário de Aracaju, mantido pelo projeto Tamar, e que reúne em 18 aquários uma amostra da vida marinha, principalmente do que se preserva na costa litorânea de Sergipe. Caso você esteja com crianças, este é um passeio que elas costumam adorar! E bem próximo ao Oceanário, ainda tem os lagos artificiais: um ótimo lugar para relaxar ou para fazer um passeio nos pedalinhos com os pequenos. Outro lugar que eles também amam na Orla de Atalaia é o Maravilhoso Mundo da Criança um parque como aqueles de antigamente, onde a criatividade e a diversão estão garantidas! Pausa para fotos no Monumento aos Formadores da Nacionalidade: um conjunto de estátuas de grande ícones brasileiros como Tiradentes, Princesa Isabel, dentre outros, que são responsáveis por grandes fatos que mudaram o Brasil, enquanto nação. A essa altura, já deve estar próximo da hora do almoço e você está pertinho do Celi Hotel, que tal almoçar no hotel pra depois seguir em frente? Bom, independente de onde faça a refeição, seguindo em frente você vai fazer uma deliciosa caminhada até os arcos, que são o símbolo da Orla de Atalaia; aqui a foto é obrigatória e costuma ficar linda! Neste espaço, também fica o Centro de Informações Turísticas da Orla, então, se você tiver alguma dúvida ou desejar informações diferentes das que estão por aqui, pode parar lá e perguntar ou apenas pegar um mapa turístico da cidade para se localizar melhor. Alguns metros à frente, tem o Monumento aos intelectuais e escritores sergipanos. Sua selfie vai ficar muito mais divertida interagindo com as estátuas de nomes como Sílvio Romero e Tobias Barreto. Alguns metros mais à frente, um caranguejo gigante te dá as boas-vindas ao point dos bares e restaurantes da Orla de Atalaia: a Passarela do Caranguejo. Se quiser tirar o resto da tarde para ficar de bobeira à beira mar, aqui é uma boa opção. Escolha o lugar que mais te agradar e aproveite o momento de relax. Para as crianças, tem ainda uma pista de patins e skates, e um parquinho para distrair os pequenos. Se estiver em grande número, você pode aproveitar as quadras para jogar futebol, basquete, vôlei, tênis… tem espaço para todos os esportes e para os praticantes ou amadores de todas as idades. Se estiver de carro, ao final da tarde, recomendamos que vá até a Orla Pôr do Sol. O lugar fica mais distante da Atalaia mas é muito bonito e agradável aos finais de tarde. Aos sábados, o espetáculo do entardecer fica ainda mais bonito com um sanfoneiro tocando música ao vivo. Excelente forma de terminar seu primeiro dia em terras sergipanas.

O Pantanal de Pacatuba é uma beleza a ser descoberta

O Pantanal de Pacatuba é uma beleza a ser descoberta

2º dia: o fabuloso Cânion de Xingó – falamos sobre ele no roteiro anterior. Este é realmente um passeio obrigatório para quem vai ficar mais de 5 dias na cidade, por ser um passeio mais longo. A beleza do lugar é única e há ainda a oportunidade de pernoitar na região e fazer a trilha na Rota do Cangaço. Leia mais em 4º dia: navegando entre as rochas.

3º dia: visita ao Pantanal Sergipano – esta é uma dica muito banaca de um local que poucas pessoas conhecem, mesmo os sergipanos. Pacatuba é uma cidade que fica há pouco mais de 100 Km de Aracaju e tem se destacado pelo turismo ecológico. Para chegar até lá, você pode ir de carro pela SE-100 ou de micro-ônibus, com saída da rodoviária nova de Aracaju. A cidade, que fica próximo à foz do São Francisco, possui uma reserva biológica e tem ganhado reconhecimento por conta dos 40 km quadrados de área pantanosa. Informe-se assim que chegar ao local sobre os passeios pelo pantanal. A vegetação exuberante vai te levar a outros lugares do Brasil, sem sair de Sergipe. A fauna local também é bem diversa e abriga diversos animais pouco encontrados no estado: lontras, jacarés do papo amarelo e guigós, entre outros. Uma opção mais tranquila no município, é conhecer a praia de Ponta dos Mangues: o lugar costuma ser pouco visitado e atrai principalmente surfistas que se deslumbram nas ondas altas do mar claro da região. As dunas fazem limite com o mangue e mudam radicalmente a paisagem da região em pouco metros. E se desejar levar uma lembrança do local, procure pelo artesanato de palha que é típico da região, graças à grande quantidade de coqueiros encontrados na costa local, e que garante o trabalho de dezenas de artesãos na região.

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

4º dia: pelas ruas de Aracaju – neste dia, sugerimos fazer o passeio pelo centro histórico da cidade, mas, vamos te dar um roteiro diferente. Se estiver de carro, você pode começar pela manhã visitando a colina do Santo Antônio. O local possui uma belíssima vista da cidade e a igrejinha remonta aos anos em que Aracaju foi fundada, já que este é o primeiro bairro da cidade. De lá, você vai visualizar a ponte Construtor João Alves, também conhecida como a ponte Aracaju – Barra dos Coqueiros. Inaugurada no ano de 2006, esta ponte se tornou a principal travessia para o município vizinho; o que, até antes do seu surgimento, era feito apenas através de balsas e pequenas embarcações. Descendo a colina do Santo Antônio em direção à ponte, é possível ver a chamada Orlinha do Bairro Industrial: uma urbanização com bares e pistas de caminhada que também serve como mirante para o Rio Sergipe e para a ponte. Seguindo a Orlinha direto em sentido sul, você vai chegar ao mercado central. Lá, procure um estacionamento, e aproveite para caminhar pela região. Num raio de aproximadamente 500m, você terá também o Memorial Zé Peixe (antigo terminal hidroviário) e o Centro Cultural de Aracaju (no prédio onde era a antiga Alfândega local). lembre-se sempre – e nunca é demais avisar! – que é importante conferir o horário de funcionamento de tudo isso antes de fazer este roteiro, pois alguns locais modificam o horário de funcionamento aos finais de semana e outros fecham em determinado dia. Depois de visitar estes dois locais, você pode voltar para o mercado e almoçar num dos restaurantes populares. Se preferir uma culinária mais rebuscada, sugerimos ir de carro até o Museu da Gente Sergipana e degustar as delícias do Café do Museu, num ambiente sofisticado e agradável. Estando lá, aproveite para visitar o museu e dar uma esticadinha até a praça Fausto Cardoso, onde fica o Museu-Palácio Olímpio Campos. A pausa para descanso pode ser dentro do próprio museu, que tem um café, reinaugurado há pouco tempo, muito simpático e aconchegante. Ao sair do museu, você ainda pode visitar a Catedral Metropolitana, que fica na praça ao lado, a Olímpio Campos, e finalizar  a tarde conhecendo o Centro de Artesanato que fica na Rua do Turista. Depois de tudo isso, vale a pena fazer uma foto na Ponte do Imperador quando estiver voltando para pegar o carro.

O Parque dos Falcões preserva as aves e garante um passeio divertido para toda a família

O Parque dos Falcões preserva as aves e garante um passeio divertido para toda a família

5º dia: a serra e o parque – sobre a Serra de Itabaiana falamos no post anterior (é só clicar e conferir o 3º dia: aventura na serra). Mas, dessa vez, além de  falar sobre a serra, vamos reforçar sua esticadinha até o Parque dos Falcões. O local foi fundado 1999 por José Percílio, com o intuito de proteger e cuidar das aves que são típicas da região. O valor pago para ter acesso ao local é revertido para a manutenção do mesmo; e como fica próximo à Serra de Itabaiana, atrai um grande quantidade de turistas que vão até a serra para trilhas e rapel. A depender do seu roteiro na serra é possível fazer as duas visitas em um único dia. Caso você contrate um receptivo, avise com antecedência sua vontade de conhecer o parque para que eles possam programar a visita, que costuma ser agendada. Uma outra dica bem legal para quem transita pela BR nessa região é passar na Casa do Doce Caseiro, uma casa simples que fica no meio da estrada mas que produz doces deliciosos. Experimente os doces em calda como o de caju e de carambola!

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

6º dia: dobradinha sergipana (São Cristóvão e Laranjeiras) – essas duas cidades são muito procuradas por turistas, por conta de seu patrimônio histórico (São Cristóvão tem uma de suas praças tombadas como Patrimônio da Humanidade). Então, se você não tem tantos dias para ficar em Sergipe e quer otimizar sua estada por aqui, que tal fazer uma dobradinha e conhecer as duas cidades num dia só? Para isso, sugerimos que vá de carro, pois os horários dos ônibus podem não contribuir para essa otimização do seu tempo de viagem. São Cristóvão fica a aproximadamente meia hora ao sul de Aracaju. Quarta cidade mais antiga do país, guarda muito da sua história na arquitetura de suas igrejas e nos museus existentes na cidade. A Praça São Francisco foi tombada em 2010 como Patrimônio da Humanidade, devido a representatividade histórica do seu conjunto arquitetônico que reúne igreja e convento na praça onde foi fixado um cruzeiro pelos frades franciscanos que habitaram em meados do século XVII, logo após sua formação.

São Cristóvão e Laranjeiras podem garantir um longo dia de passeio

São Cristóvão e Laranjeiras podem garantir um longo dia de passeio

Como você terá no máximo um turno para visitar a cidade, aproveite o curto espaço de tempo para conhecer o museu de Artes Sacras e o Museu Histórico de Sergipe, além do conjunto arquitetônico da Praça São Francisco e o complexo do Carmo, que inclui o Convento do Carmo, a Igreja do Carmo Conventual (Carmo Maior) e a Igreja da Ordem Terceira (Carmo menor), bem como o Museu dos ex-votos, que fica anexo à igreja. Neste percurso, não deixe de passar no Lar Imaculada Conceição, onde são confeccionados os famosos bricelets: biscoitos doces deliciosos de massa fina e receita que é um verdadeiro mistério guardado à sete chaves. Daí, você parte para Laranjeiras, subindo pela BR 101, são aproximadamente 30 minutos de viagem de uma cidade à outra. Apesar de conservar a arquitetura antiga, as casas da cidade possuem um estilo diferenciado com ladrilhos coloridos que enfeitam as fachadas das casas e enchem a cidade de cor e alegria. O conjunto de igrejas de Laranjeiras é um dos maiores do estado e algumas delas foram construídas propositalmente em pontos altos da cidade, para que fosse possível observar o antigo vilarejo. Hoje, elas garantem belas fotografias, como é o caso da Igreja do Senhor do Bomfim e a Capela Bom Jesus dos Navegantes. A casa de Cultura João Ribeiro, o Museu de Artes Sacras e o Museu Afro-brasileiro também são paradas obrigatórias para conhecer mais da cidade. Lembre-se de procurar por um guia local: eles irão auxiliá-lo com relação ao acesso a estes locais, horários de funcionamento e segurança. Esse passeio dois em um vai te mostrar um pouco da história de Sergipe e do seu povo.

A cidade no entardecer, vista da Ilha de Santa Luzia (conhecida como Barra dos Coqueiros)

A cidade no entardecer, vista da Ilha de Santa Luzia (conhecida como Barra dos Coqueiros)

7º dia: do outro lado do Rio Sergipe – no post anterior, falamos sobre Pirambu. Atualmente, o melhor acesso para a região é pela Ponte Construtor João Alves (Ponte Aracaju/Barra). Então, atravessar o Rio Sergipe é, na verdade, descobrir o outro lado da praia, e esta é uma costa do nosso estado que é mesmo muito bonita! Se quiser ir até Pirambu e conhecer o projeto Tamar, leia 8º dia: Pirambu e as tartarugas Caso não queira ficar por lá, volte para a Barra dos Coqueiros e vá contornando o litoral: ao norte, a Praia do Jatobá ainda é um lugar tranquilo para quem quer curtir a praia sem muita gente por perto. Não existem muitos bares e a estrutura local é bem simples. É pra quem gosta de armar o guarda sol e curtir o mar. Ao sul, a Praia da Costa é um point local e reúne diversos aracajuanos que atravessam a ponte em busca de uma praia diferente para relaxar. Mais à frente, a Atalaia Nova tem se desenvolvido e já se tornou uma cidade conhecida pelos eventos estaduais que costuma receber, levando artistas nacionais e turistas de todo o país ao local. Longe da folia dos eventos, de um lado você vai tomar banho no Rio Sergipe e do outro um grande mar te espera de braços abertos para a tranquilidade. A escolha é sua, agora é só relaxar! Ah, e confira o artesanato local: a popular renda de filé é base para as peças mais variadas, desde toalhas de mesas até vestidos! Vale a pena levar uma lembrança dessas pra casa.

A Praia do Saco foi considerada como uma das 100 mais bonitas do mundo

A Praia do Saco foi considerada como uma das 100 mais bonitas do mundo

8º dia: Estância além do São João: já falamos algumas vezes sobre a cidade de Estância. Já contamos sua história e falamos do seu São João, mas a cidade vai muito além do famoso “barco de fogo”. Localizada há aproximadamente 70Km da capital Aracaju, Estância possui um belo casario antigo dentro da cidade, que reflete a beleza da arquitetura local. Mas é o litoral que chama a atenção pela grandiosidade das belezas naturais. A Praia do Abaís possui grande estrutura de bares e é altamente frequentada por sergipanos e turistas; já a a Praia das Dunas possui piscinas naturais temporárias e, por ficar numa rota entre duas praias com maior estrutura, termina sendo pouco visitada, tornando-se um verdadeiro paraíso deserto. Mas, a mais famosa das praias estancianas é a Praia do Saco: considerada uma das 100 mais bonitas do mundo por uma publicação francesa, esta costa de águas quentes e areia fina atrai dezenas de turistas e sergipanos. Há, ainda, a Lagoa dos Tambaquis, um ambiente natural onde os visitantes podem interagir com os peixes que são domesticados e aceitam cordialmente o contato com aqueles que desejam interagir com a fauna local. Uma experiência única e para ser apreciada por pessoas de todas as idades!

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

E aí, já decidiu quando você vem pra Sergipe? Vai seguir o roteiro acima à risca ou vai mesclar com algumas sugestões do roteiro anterior? Sentiu falta de alguma coisa sobre a qual já ouviu falar e não comentamos aqui? Calma, pois ainda temos mais 3 roteiros para divulgar, mas aceitamos suas sugestões para dar ainda mais opções para aqueles que vem à Sergipe e pretende descobrir as belezas locais. Tem muito para se descobrir neste pequeno notável e nós estamos aqui para te auxiliar nesta experiência que promete ser extremamente gratificante. Ah, e para quem vai prolongar as férias, o Celi Hotel Aracaju está com tarifas promocionais para reservas durante o mês de Agosto. Que tal vir à Sergipe e ainda hospedar-se no Celi Hotel com uma tarifa super promocional? Clique aqui, fala sua simulação e confira. Te esperamos em breve e voltamos na próxima semana com um novo roteiro. Até lá!

Fonte: Turismo Sergipe, Infonet, Sergipe Trade Tour.

Descubra Sergipe: roteiro de 10 dias ou mais para conhecer as belezas do nosso estado

Olá pessoal!

Como prometido, começamos hoje a série com roteiros para você aproveitar ao máximo sua viagem para Sergipe. A nossa intenção não é montar um roteiro fixo para ser seguido. Tudo o que você pretende fazer vai depender do período que estará por aqui, dos horários de funcionamento de alguns locais, do meio de transporte que será utilizado, e, principalmente, da sua disposição para otimizar seu tempo e fazer tudo o que estamos sugerindo. Este é o maior roteiro de todos que montamos; então, lembre-se que mesmo que você passe mais de 10 dias aqui em Sergipe, pode querer repetir algum passeio ou, caso não seja sua primeira vinda, visitar lugares menos turísticos, que não estão neste roteiro, e se tornar um pouco mais “sergipano”.

Então, vamos começar?

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

1º Dia: Aracaju turística – como este é um roteiro longo, damos a oportunidade de dividir o passeio em Aracaju em mais de um dia. Então, neste primeiro dia na capital sergipana, acorde cedo e, depois de um café da manhã reforçado no Celi Hotel, aproveite para visitar o centro histórico. Conheça a catedral metropolitana, na praça Olímpio Campos, e a feirinha de artesanato. Uma outra opção para quem gosta dos trabalhos manuais é visitar o prédio ao lado que abriga a Rua do Turista / Centro de Turismo: uma estrutura de mais de 100 anos criada para ser um colégio mas que, atualmente, abriga dezenas de trabalhos de artesanatos tradicionais produzidos no estado. Saindo de lá, na Praça Fausto Cardoso (que fica em frente à Praça Olímpio Campos), você vai ver uma alameda com palmeiras do tempo do império e, mais à frente, a “Ponte do Imperador”, um atracadouro que avança pelo Rio Sergipe, que foi construído na época em que D. Pedro veio visitar a antiga colônia. Na praça, um ponto de parada obrigatório é o Museu-Palácio Olímpio Campos: um lugar para conhecer e se encontrar com o passado do nosso estado. Procure informações sobre a visita guiada para aproveitar mais o local. Seguindo pela Av. Ivo do Prado, poucos metros de distância dali, você vai encontrar o Museu da Gente Sergipana. A interatividade é a grande marca deste espaço que fala sobre as belezas do estado e a cultura do nosso povo. Não deixe de visitar! Se, a esta altura, você já estiver com fome, você pode ficar e almoçar no próprio Café do Museu ou ir em direção ao mercado central e comer num dos restaurantes locais com vista para o rio. Independente da sua opção, após o almoço, vale a pena passear tranquilamente pelo mercado de artesanato e comprar algumas das lembrancinhas que vão encantar os parentes e amigos no seu retorno à casa. Feitas as comprinhas, volte margeando o rio e você vai encontrar dois dos mais novos espaços de cultura da cidade: o Espaço Zé Peixe e o Centro Cultural de Aracaju. Aí, fica a sua escolha em qual deles você vai primeiro, mas, se nos permite uma sugestão: visite a Casa de Cultura e conheça as exposições permanentes e diversas informações sobre a cidade.

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

Depois, vá ao Espaço Zé Peixe e conheça mais sobre este homem que se tornou um mito na cidade (já falamos sobre ele aqui), e aproveite para fazer um lanchinho no local, afinal, não dá pra desperdiçar a vista do rio, não é? Apesar de ser um roteiro extenso para um dia, você consegue, de uma única vez, visitar os principais museus da cidade e conhecer os pontos turísticos do centro da cidade. E o melhor é que tudo pode ser feito à pé! A caminhada mais extensa, do Museu da gente Sergipana até o Mercado Thales Ferraz dura em torno de 15 min, caminhando tranquilamente e apreciando a brisa do rio. Se estiver de carro, ao final do dia, ainda sugerimos uma visitinha à colina do Santo Antônio: o bairro onde a cidade foi fundada tem uma bela igrejinha cuja praça se tornou um mirante, onde se avista grande parte da Aracaju antiga e da Barra dos Coqueiros, bem como a ponto que liga os dois municípios. A vista vai te impressionar! Com certeza, depois desse dia intenso, uma boa ducha e uma cama quentinha no Celi Hotel serão a melhor pedida da noite!

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

2º Dia: Aracaju para relaxar – caso você tenha realizado o roteiro do primeiro dia tal como o descrevemos, pode se acordar cansado e pensando em tirar o dia de folga para conhecer a praia. Então, nossa sugestão é que você aproveite para acordar mais tarde, tome o seu café com calma, aproveite o som ao vivo que só o Celi Hotel te oferece, e, se estiver um belo dia de sol, aproveitar a piscina ou ir à praia. Mas, a grande atração do dia será um passeio à Crôa do Goré: um banco de areia que se forma no meio do rio Vaza-Baris.

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

O passeio pode ser feito pela manhã ou à tarde. Aqui, sugerimos que você faça à tarde, para aproveitar o fim de tarde num dos pontos turísticos mais bonitos da cidade: a Orla Por do Sol, de onde saem e para onde voltam o catamarã que leva até a crôa. Aos sábados, às 17h, um sanfoneiro faz a trilha sonora para o entardecer, e uma feirinha de artesanato e comidas típicas é a opção do local para você degustar alguns sabores regionais.

3º dia: aventura na serra – tá bem descansado, não é? Então, que tal um dia de aventura? A Serra de Itabaiana é parque ecológico que abrange quatro municípios, além deste que dá nome ao local. Apesar de ser aberto ao público em geral, o ideal é que você possa agendar sua ida junto a uma empresa que possua instrutores treinados e capazes de te auxiliar durante a subida.

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

O lugar possui dezenas de córregos e cachoeiras, além do famoso Poço das Moças, um escavação rochosa onde desemboca um dos braços de córregos e que faz a alegria daqueles que banham-se no local.Para quem gosta de trilha, a serra é uma ótima opção e reserva uma linda vista para aqueles que concluem o passeio até o ponto mais alto do parque. Lá próximo existe ainda o Parque dos Falcões: um local que transformou-se num instituto de proteção a estes animais, graças à dedicação do seu fundador (que ainda hoje reside no local). Este promete ser um roteiro muito divertido e cheio de emoção! Depois disso, só mesmo voltar para o Celi Hotel e jantar no restaurante Maramar para recompor as energias perdidas ao longo do dia.

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

4º dia: navegando entre as rochas – esse é um dos roteiros mais buscados pelos turistas que vem à Sergipe. O cânion de Xingó fica a pouco mais de 200 Km de Aracaju e por este motivo é um passeio para um dia inteiro, contando o tempo de ida/volta até o município de Canindé, onde se encontram as formações rochosas. Quinto maior cânion navegável do mundo, esta é uma parada obrigatória para quem quer descobrir um lugar como não há outro no país. Para chegar até o local, as melhores opções são: ir de carro ou comprar o pacote completo em uma agência de receptivo, que inclui o transfer, o passeio de catamarã e almoço num dos restaurantes locais. Durante o dia, você vai se deslumbrar com as formações rochosas e as águas claras do Rio São Francisco em sua forma mais bela. Um dos momentos mais esperados é a parada para o banho no meio do “Velho Chico” e um passeio num pequeno barco que te levará para dentro das formações rochosas. Se você for de carro e tiver um dia a mais, experimente ficar hospedado em Canindé e, no dia seguinte, fazer uma trilha pela Rota do Sertão até a grota de Angico, onde foi enterrado o cangaceiro mais famoso do nordeste: Virgulino Ferreira, o Lampião. A Sílvia, do blog Matraqueando, fez um relatório muito bacana sobre sua experiência, confira clicando aqui. Ah, e caso você tenha apenas um dia mesmo, tenha certeza que, conhecer o Cânion de Xingó vai te garantir o momento mais deslumbrante da viagem e fôlego novo para os próximos dias.

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

5º dia: visita ao Patrimônio da Humanidade – em 2010, o complexo que compõe a Praça São Francisco, na cidade de São Cristóvão, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade. A antiga capital sergipana é a quarta cidade mais antiga do país e possui um belíssimo acervo arquitetônico e cultural que vale a pena ser visitado. Há pouco mais de 20 Km de Aracaju, é fácil chegar até lá: de carro, a estrada está sinalizada e tem placas indicativas; de ônibus, você tem a opção de ir pelos intermunicipais ou pelos micro-ônibus de cooperativa de transporte (seja qual for sua opção, a passagem tem um valor bem baratinho!). Seja qual for sua opção, nossa sugestão é que você explore bastante a região andando à pé pelas ruas, conhecendo as pessoas e visitando as igrejas. Em frente à Praça São Francisco, o Museu de Arte Sacra e o Museu Histórico de Sergipe são paradas obrigatórias. Este último foi o primeiro museu da cidade e possui um acervo que reúne peças raras do período imperial no estado. Já o Museu de Arte Sacra é o mais importantes do país: possui aproximadamente 500 peças catalogadas e já teve seu acervo retratado em livro, preciosidades e grande relíquia na história da cultura sergipana. Existe ainda o chamado “Museu dos ex-votos” que reúne peças deixadas por devotos de N. Sr. do Passos, que é o santo mais celebrado no município. Uma enorme festa celebrada sempre no segundo final de semana após a quarta-feira de cinzas, possui mais de 200 anos e atrai milhares de pessoas de todos os lugares do estado. Se você vier à Sergipe neste período, vale a pena conhecer! Além dos museus, São Cristóvão possui ainda diversas igrejas, com arquitetura e histórias peculiares. Mas, lembre-se de checar os valores para entrada (que não costumam ser altos) e os horários de funcionamento: os museus não abrem às segundas! Então, é melhor fazer esse roteiro num outro dia da semana. Ah, se for de carro, além de andar pelas ruas da cidade histórica, você poderá visitar a estátua do Cristo que fica alguns quilômetros próximo à entrada da cidade. Tudo bem, ele não fica sobre a baía de Guanabara e nem é tão alto como o carioca, mas sua inauguração data de 1926, que foi quando se iniciou a construção do Cristo do Rio de Janeiro. O acesso ao local é gratuito e o fim de tarde visto de lá costuma ser muito bonito.

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

6º dia: andando pelas dunas de Tieta – foi logo após a gravação da novela de Tieta, nos anos de 1990 que o pequeno povoado de Mangue Seco ficou nacionalmente conhecido. Apesar de habitar em terras baianas, sua travessia mais comum é feita partindo de Sergipe, mas precisamente de Porto do Cavalo, no município de Estância. Para chegar até o local, é comum ir de carro e fazer a travessia para Mangue Seco em uma pequena embarcação ou uma lancha. Se preferir, procure uma agência de turismo pois várias delas em Aracaju tem este roteiro entre suas opções. Lá em Mangue Seco, além de conhecer o vilarejo, faça um passeio de bugre pelas dunas e escolha se prefere “com emoção” ou “sem emoção”, caso você seja cardíaco! 😀 Aproveite para caminhar e explorar a região, mas cuidado com as encostas, pois alguns locais ficam intransitáveis quando a maré enche. Se não quiser arriscar, é só ficar na praia, à beira mar. A estrutura local é simples e não costuma ter muita gente. Um roteiro realmente paradisíaco!

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

7º dia: a beleza de Laranjeiras – a pequena cidade de Laranjeiras é uma das mais antigas do estado e já foi grande pólo econômico de Sergipe no século XIX. Localizada há pouco mais de 20 Km de Aracaju, tal como São Cristóvão, você pode chegar até lá de carro ou pegar um ônibus na rodoviária nova (que fica próximo à saída de Aracaju) ou na velha (que fica no centro da cidade), o que vai mudar é o tipo de ônibus; mas, como já falamos, a passagem é bem baratinha! Chegando lá, procure o centro de informações turísticas e um guia para te acompanhar e mostrar o que a cidade tem de mais bonito. Tal como em São Cristóvão, muitos dos principais centros de turismo fecham às segundas; mas, caso visite a cidade num sábado, vai vivenciar a experiência de um dia de feira: a cidade fica muito mais cheia e colorida. É um diferencial! Mas, voltando as pontos turísticos,

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

além das igrejas com sua beleza arquitetônica e suas histórias, tem o museu afro-brasileiro, a casa do folclore, o museu de arte-sacra…Com um guia local será muito mais fácil passear pela cidade e ir até a igreja do Bom Jesus dos Navegantes, que fica no alto de uma colina, de onde é possível visualizar toda a cidade. Uma dica para quem vem à cidade em Outubro é verificar a data em que se realiza a festa de um dos folclores mais tradicionais da cidade “lambe-sujos X caboclinhos”: uma encenação em praça pública que recria o combate entre negros e índios na época dos engenhos. A participação popular faz o espetáculo ser ainda mais bonito.

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

8º dia: Pirambu e as tartarugas – o município de Pirambu, à 60 Km de Aracaju, começou a ser mais conhecido após a instalação da primeira base do projeto Tamar no Brasil. O projeto desenvolvido pela Petrobrás tem como foco a preservação das tartarugas marinhas. A base do projeto no município sergipano dá a possibilidade de conhecer mais sobre os animais e interagir com algumas espécies que são cuidadas no local. É comum a realização de eventos quando as pequenas tartarugas marinhas, chocadas com o auxílio dos pesquisadores do projeto, são devolvidas ao mar. A participação dos locais no desenvolvimento do Tamar é fundamental e faz com que todos contribuam na preservação da espécie marinha. Além do projeto Tamar, visitar Lagoa Redonda é parada obrigatória em Pirambu. O povoado possui um belíssimo litoral e paisagens que mesclam vegetações de variados tipos: dunas, riachos e uma praia de águas calmas e quentes descreve um verdadeiro paraíso desconhecido, até mesmo por grande parte dos sergipanos. Você pode ir até o município de carro ou de micro-ônibus, ou ainda entrar em contato com alguma agência de turismo para fazer o transfer até lá. Esta pode ser uma boa opção para quem quer ficar o dia todo na praia, tranquilamente, sem se preocupar com a volta.

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

9º dia: visitando a foz do São Francisco – Brejo Grande é o nome do município onde se pode ver a foz do Rio São Francisco e seu desembocar no oceano. Para chegar até lá, o trajeto de carro leva em torno de 2h, mas existem várias agências que fazem o transfer e já com o passeio de catamarã, que é a parte mais bonita do trajeto. O local ficou bem conhecido após a filmagem da película “Deus é brasileiro”, mas existem várias belezas na região, além do passeio até a foz; uma delas é o farol do povoado cabeço. O local era habitado por ribeirinhos que viviam da pesca, mas, com o passar do tempo, as águas do São Francisco tomaram conta do local e, hoje, o farol que era responsável por guiar os barcos que passavam pela região, está imerso nas águas e pode ser visto em meio à imensidão do encontro das águas. Uma imagem clássica do local! Aproveite o passeio para conhecer o artesanato de palha de ouricuri que é feito pelas mulheres da região, e levar uma lembrancinha de Sergipe para sua casa.

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

10º dia: de volta a Aracaju – este é um roteiro que pode ser feito em qualquer um dos outros dias, mas deixamos para o último dia, a fim de que você possa relaxar e voltar mais descansado em seu retorno pra casa. No primeiro roteiro em Aracaju, foi sugerida apenas a visitação dos locais no centro histórico, mas tem muitos outros espaços que valem a pena ser visitados na cidade. Os hóspedes do Celi Hotel tem uma vantagem: já estão na Orla de Atalaia, então, estão hospedados ao lado do ponto turístico mais famoso de Aracaju. A Orla reúne um arsenal de espaços de lazer e entretenimento para pessoas de todas as idades: o Maravilhoso Mundo da Criança para os pequenos, os lagos com pedalinhos para os maiores, o Oceanário para gente de todas as idades, quadras poliesportivas para os esportistas, centro de cultura e artesanato para comprar as famosas “lembrancinhas”, estátuas de grandes ilustres sergipanos para os que gostam de selfies…

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Sergipe

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Poxim

Enfim, são diversas opções que garantem momento de relaxamento e diversão; e alguns lugares excelentes para fazer belas fotos. Para quem estar de carro, dar uma volta pela cidade vai mostrar ainda mais da história e da vida do aracajuano. O antigo farol, localizado no bairro Farolândia, é um destes espaços. Reformado há alguns anos, possui um entorno com um cinturão verde que garante mais charme ao local. Mas, se você quer mesmo um lugar verde para aproveitar o dia, o Parque dos Cajueiros fica à margem do rio Poxim e possui um espaço excelente para garantir a diversão das crianças; o Parque da Cidade, fica na zona norte e tem como atrações principais um pequeno zoológico e o teleférico, que proporciona um excelente passeio e uma belíssima vista da cidade; já o Parque Augusto Franco, mais conhecido como Parque da Sementeira, é ideal para um passeio de bicicleta ou um para um pique-nique. Próximo a este parque, o calçadão da 13 de Julho é palco das caminhadas diárias de muitos aracajuanos que buscam manter uma atividade esportiva diariamente. No local, é possível encontrar um mirante que te garante uma bela vista do Rio Sergipe e do entorno da região. Apesar de serem em lugares bem distintos, todos este pontos podem ser facilmente visitados. Existe transporte público municipal para se chegar a todos eles e, de carro, são poucos minutos necessários para sair de um lugar para o outro. Se preferir tirar o dia de folga e ficar num lugar só, vai ter que tirar na sorte!

Visite p Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

Visite o Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

É isso, pessoal!

Como puderam ver, são sugestões de roteiros, opções de lugares para visitar e conhecer. Eles foram feitos com base nos horários de funcionamento dos locais sugeridos para visitação e dos passeios sugeridos. Não precisam ser seguidos, mas, se forem e dependendo do dia da semana, lembre-se sempre de consultar os horários e valores para acesso a alguns deles. Espaços como o Museu da Gente Sergipana, por exemplo, abre diariamente e é gratuito; enquanto o Museu de Arte Sacra de São Cristóvão não abre às segundas e paga uma taxa. Não informamos os valores pois eles podem mudar sem que sejamos informados. Além disso, caso você passe mais tempo por aqui, lembre-se que tem muitos outros lugares que indicamos conhecer e que vamos colocar em outras postagens futuramente. Em breve, um novo roteiro mais curtinho mas cheio de novidades também! Até lá!

Fotos: Infonet, Turismo Sergipe, Sergipe TradeTour, Centro de Convenções de Sergipe, Agência Sergipe de Notícias e acervo pessoal

Estamos em férias!

Calma pessoal! Passamos uma semaninha sem postar novidades, mas nós, do Celi Hotel, não estamos em férias, não. Ainda assim, não há contradição com o título deste post. Vamos explicar: durante o mês de Julho, recebemos um grande número de hóspedes em férias. Pois é! Tal como nos meses de Dezembro e Janeiro, este é um mês em que recebemos muitas pessoas que vem à lazer e com foco no turismo conhecer o nosso estado. Nos demais meses é comum este público dividir um espaço maior com aqueles que vem à serviço e hospedam-se conosco pela comodidade e atendimento que encontram aqui. Tudo explicado?! Então, vamos deixar a ressaca dos festejos juninos que movimentaram bastante todo o estado durante o mês de Junho e seguir em frente, porque temos muito o que fazer durante estas férias de Julho aqui em Sergipe!

Em Aracaju, roteiros pequenos e bem articulados garantem ao turista conhecer boa parte da cidade e seus principais pontos turísticos

Em Aracaju, roteiros pequenos e bem articulados garantem ao turista conhecer boa parte da cidade e seus principais pontos turísticos

Mas, não é todo mundo que tem o mês inteiro de férias; às vezes, são apenas alguns dias ou poucas semanas. Outros, que terão mais tempo de descanso, aproveitam para vir ao nordeste e desbravar as belezas de toda a região; neste caso, seu tempo em Sergipe pode ser curto, mas é possível que seja muito bem aproveitado. Para isto, nossos próximos posts serão úteis, a fim de que você possa organizar sua viagem. Nos próximos dias, vamos dar dicas de roteiros para aqueles que vem à Sergipe ou para quem está apenas de passagem – e isto pode ser bem comum, principalmente no caso de quem está fazendo uma viagem com vários destinos.

Então, vamos destacar aqui os pontos mais famosos de Aracaju e as cidades de maior relevância no interior do estado, o que é interessante para conhecer se sua viagem for muito curta ou se tiver tempo de sobra, como chegar até os locais… enfim, você vai receber diversas informações para saber exatamente o que fazer e onde ir antes mesmo de chegar aqui! Claro, que isto vai depender da sua disposição e dos dias da semana em que estará por aqui, pois, pode acontecer de um ou outro programa ter que ser feito num dia específico por conta dos horários de funcionamento de alguns espaços turísticos.

Além disso, caso já conheça o estado ou, pelo menos, a capital sergipana, você pode trocar alguma das indicações por algo que ainda não conheça ou passar mais tempo num lugar que te interesse mais. Nossa intenção é contribuir para que você saiba mais sobre nossa cidade e nosso estado, que é a premissa fundamental deste blog. Em postagens anteriores, você poderá visualizar também algumas informações específicas sobre lugares que já comentamos. Enfim, à partir da próxima semana, serão definidos 5 roteiros diferentes: roteiro de 1 dia – para quem está de passagem, roteiro de 3 dias – um fim de semana em Aracaju, roteiro de 5 dias – conhecendo Aracaju e cidades vizinhas, roteiro de 8 dias – um passeio por Sergipe, roteiro de 10 dias (ou mais!) – descobrindo Sergipe. Nosso próximo post será com o roteiro para 10 dias: assim, quem já está por aqui, ainda pode aproveitar algumas das nossas dicas e quem está pra chegar, já vai desembarcar por aqui com o destino traçado.

Veja qual o roteiro que se adapta melhor às suas necessidades e aproveite sua estada em Sergipe

Veja qual o roteiro que se adapta melhor às suas necessidades e aproveite sua estada em Sergipe

Como este é um espaço colaborativo, você que é sergipano ou que já conhece Sergipe, pode contribuir com comentários que nos auxiliem a formar o melhor roteiro para nossos turistas. Afinal, o bom de conhecer um novo lugar é escolher o seu espaço favorito. Ah, e não deixe de conferir em nosso site os valores com condições especiais para que você possa hospedar-se no Celi Hotel Aracaju, com todo o conforto e a qualidade que oferecemos, e os melhores valores da web. Clique aqui e confira as acomodações disponíveis para o período de sua viagem. Pronto! Reserva feita e roteiro na mão, é só embarcar nesta viagem de férias que promete ser inesquecível! Então, mãos à obra e até o próximo post com um roteiro para descobrir as belezas de Sergipe e que vai deixar aqueles que ainda não se decidiram por essa experiência com vontade de conhecer os encantos do nosso estado!

Fotos: Infonet, Turismo Sergipe

Artesanato de tradição: um pouquinho de Sergipe para levar pra casa

Olá pessoal!

Às vésperas do feriadão do Dia do Trabalhador, Aracaju já começa a receber alguns dos seus turistas. Gente de todos os lugares do país vem em busca de um lugar tranquilo e sossegado para aproveitar o fim de semana prolongado. Curtir as praias, passear pelos parques ou apenas descansar no Celi Hotel, seja qual for a programação, ao final da viagem, todo mundo quer levar uma “lembrancinha” do lugar. E as opções são as mais variadas: esculturas em madeira, biscuits em forma de Caju, camisetas com estampas divertidas… mas uma das coisas mais tradicionais e autênticas de todo o estado de Sergipe é o artesanato em renda.

A renda irlandesa é o grande destaque na produção de renda em Sergipe

A renda irlandesa é o grande destaque na produção de renda em Sergipe

E aqui em Sergipe, você vai encontrar os mais variados tipos de renda, a depender da região do estado onde ela seja produzida. Esta é uma curiosidade que poucas pessoas sabem. Na verdade, a produção da renda tornou-se uma característica e uma identidade para a região onde ela surge; e isto faz com que a produção seja ainda mais autêntica. É o caso da renda irlandesa. Ela transformou-se num dos artigos mais preciosos do estado e ganhou tamanho reconhecimento que o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) catalogou o processo no livro de Registro de Saberes; denotando a importância deste processo no artesanato nacional.

Com isso, a cidade de Divina Pastora passou a ser ainda mais conhecida e visitada, afinal ela é a responsável por grande parte da produção da renda irlandesa no estado de Sergipe, tornando-a numa das maiores expressões do artesanato local. Por isso, nada melhor do que um produto de alta qualidade, singular e que traduz a essência do trabalho artesanal sergipano para você guardar um pedacinho do nosso estado.

Tudo bem o nome ser “irlandesa” e não “sergipana”, afinal essa técnica de rendado nem mesmo surgiu na Irlanda: foi na Itália, no século XV, que se iniciou a produção das primeiras peças com esta identidade; posteriormente, a técnica foi repassada às missionárias irlandesas, que difundiram a produção da renda na Europa. Já aqui em Sergipe, mais precisamente na cidade de Divina Pastora, a renda veio através do imigrantes italianos, durante o período de colonização. Aqui, a renda é caracterizada pelo uso de lacê, um cordão sedoso, e manipulado cuidadosamente com linha e agulha, fazendo com que o produto final seja ainda mais sofisticado, seja ele um simples pano de copa, um belo vestido ou uma colcha, que vai deixar seu quarto bem mais bonito.

A produção da renda de bilro exige técnica, paciência e dedicação, e é  destaque no município de Poço Redondo

A produção da renda de bilro exige técnica, paciência e dedicação, e é destaque no município de Poço Redondo

Já em Poço Redondo, o destaque é para a renda de bilro: sua delicadeza confere ainda mais beleza para estes produtos. Difundida no semi-árido sergipano durante o século XVIII pelos portugueses que aportaram na região, esta técnica utiliza-se de um instrumento característico, o “bilro”, que é um pequeno pino de madeira. Vários bilros são presos a uma base almofadada – que é marcada com agulhas, para delimitar os desenhos da renda – e trançam as linhas amarradas a eles, criando formas em meio ao barulhinho bom do toque dos bilros. Um trabalho de habilidade e concentração, que é produz verdadeiras obras de arte.

Além destes, existem dezenas de outros locais que produzem estes e outros tipo de renda: na Barra dos Coqueiros, a renda de filé, tradicionalmente alagoana, também é muito produzida e consumida por locais e turistas. A renda tipo Renascença, uma renda de agulha tal como a renda Irlandesa, é facilmente encontrada no interior sergipano, principalmente na cidade de Japaratuba. Em todo o Sergipe, a cultura da renda é tão forte que em vários municípios é comum encontrar associações, cooperativas ou comunidades organizadas na produção deste tipo de artesanato. Afinal, os investimentos feitos tem gerando uma melhoria no orçamento familiar de grande parte dos envolvidos. Existem famílias que se mantém há gerações através dos trabalhos desenvolvidos com o artesanato de renda.

E não se preocupe: mesmo que você passe poucos dias em Aracaju e não possa ir a uma dessas cidades para comprar uma bela peça de renda, existem diversos centros de cultura e artesanato na capital onde as peças podem ser encontradas. É só escolher a sua preferida e investir em um produto que é muito mais que uma simples “lembrança”; é uma verdadeira obra de arte autenticamente sergipana. Esperamos que aproveitem estas informações para conhecer um pouco mais das tradições sergipanas, afinal, o artesanato é uma delas. Comente, critique ou mande sua sugestão. Queremos descobrir o que você deseja saber sobre Sergipe para que este seja o seu próximo destino.

Confira abaixo alguns dos locais onde você pode encontrar opções de peças de artesanato em renda na capital sergipana:

Centro Centro de Arte e Cultura J. Inácio, Orla de Atalaia;

Mercado Municipal, Centro Histórico;

Centro de Artesanato Chica Chaves, Orla do Bairro Industrial;

Centro de Turismo, Praça Olímpio Campos;

Feirinhas da Praça Tobias Barreto, aos domingos;

Passarela do Artesão, Orla de Atalaia – diariamente das 16 às 23h.

Fotos: site Turismo Sergipe e Infonet.