O centro do Centro Histórico

Olá pessoal!

Após o carnaval, retornamos à nossa série de postagens sobre os bairros de Aracaju, para que vocês possam conhecê-los além dos tradicionais roteiros turísticos. Para quem vem à capital sergipana pela primeira vez, nossa sugestão é conhecer nossos posts sobre as possibilidades de roteiros para conhecer Aracaju de acordo com o período que for passar aqui (10 dias, 8 dias, 5 dias, 3 dias ou 1 dia). Mas se esta já é a sua segunda, terceira, quinta ou décima vez na cidade, ou se está por aqui quase sempre, seja à trabalho ou lazer, estas postagens são especialmente para você!

PRAÇA FAUSTO CARDOSO - TURISMO SERGIPE

Praça Fausto Cardoso, no coração do Centro Histórico de Aracaju (Foto: site Turismo Sergipe)

Hoje, vamos falar um pouco sobre o Centro de Aracaju, que, por conta de sua estrutura arquitetônica histórica, se transformou nos dos bairros turísticos da cidade.

– Se o bairro é turístico, seus principais locais estão entre aqueles roteiro de visita?

– Exato! Mas só os PRINCIPAIS! Tem muita coisa acontecendo no centro de Aracaju e muito que já aconteceu mas que ficou ali, num canto, e nem sempre recebe muito destaque; passando desapercebido pelos turistas.

Passeando pelas ruas do bairro, é possível encontrar memoriais, museus, construções centenárias e muito mais itens que o compõem, e remontam aos seus primórdios no desenvolvimento da cidade. Por isso, apesar de ser o centro comercial da cidade, também é conhecido como Centro Histórico. E falando sobre o assunto, vamos conhecer agora um pouco da história do bairro.

Histórico Centro

Foi em 1855, quando Aracaju recebeu o título de capital da província de Sergipe D’el Rey, que o centro passou a existir. A cidade foi a segunda capital planejada do nordeste e teve sua primeira planta desenhada de modo que os lotes fossem quadrados e sempre com a mesma medida; por isso, durante muitos anos, Aracaju ficou conhecida como “tabuleiro de xadrez do nordeste”.

598667_484021098283676_1044950391_n

Aracaju teve seu centro planejado e é conhecida como “tabuleiro de xadrez” (Imagem: blog Sergipe em Fotos)

Uma das primeiras grandes edificações da cidade neste bairro foi a Igreja São Salvador, localizada num dos calçadões do centro histórico e atualmente reformada.Na época de sua construção, o solo pantanoso e insalubre do local foi uma das dificuldades encontradas, não apenas para erguer a igreja mas toda a cidade que começa a se desenhar. Além disso, a baixa qualidade da água potável na região causou diversas doenças durante os primeiros anos de existência de Aracaju. Mas, superados os problemas iniciais, Aracaju começou a progredir, graças à zona portuária, que foi o grande filão para a troca da capital do Sergipe.

Com o passar dos anos, o comércio da região se desenvolveu e a área começou a receber dezenas de construções que deram volume ao bairro, conhecido por abrigar a elite do período. A construção da catedral metropolitana, de parques e praças, bem como o palácio do governo do estado, após a emancipação de Sergipe, fizeram o centro de Aracaju se expandir, originando bairro circunvizinhos que proporcionaram o crescimento populacional e desenvolvimentos da cidade, que hoje tem pouco mais de 160 anos de existência.

O que o Centro Histórico tem?

Para os que buscam os roteiros turísticos, o Centro Histórico é passagem obrigatória! O bairro possui um grande acervo a ser conhecido. E tem muito mais além do tradicional passeio pelos museus, pela catedral, pelos memoriais… Você tem tempo? Então, sente-se e veja a vida passar pelo centro, ou aproveite aqueles lugares pelos quais você já passou mas sempre deixou para uma próxima visita. Alguns deles ficam escondidos mas são verdadeiras pérolas!

Capela São Salvador: na verdade, a ´”igreja” é uma capela subordinada à Paróquia da Catedral Metropolitana. É a primeira igreja do centro da cidade de Aracaju e localiza-se no calçadão da Rua Laranjeiras. Apesar de ter sofrido inúmeras reformas, que mudaram um pouco da arquitetura original, a Capela São Salvador ainda conserva os detalhes que a identificam como eclética, e caracteriza algumas das construções do período. Já em 2012, a Capela de São Salvador foi declarada pelo IPHAN como Patrimônio Histórico e Artístico de Sergipe; mostrando o valor simbólico do local para os aracajuanos e sua história. Para os mais religiosos, há missa diariamente no local. Para os curiosos, visitar um patrimônio reconhecido pelo estado em meio ao centro comercial da cidade é uma oportunidade que não deve ser desperdiçada.

Música no mercado: O mercado municipal de Aracaju, composto pelos prédios dos mercados Thales Ferraz, Antônio Franco e Augusto Franco, é um dos pontos turísticos mais conhecidos do bairro. Dezenas de lojas com produtos artesanais, comidas tradicionais e itens variados podem ser encontradas no local e atrai centenas de turistas diariamente para conhecerem o que há de mais tradicional na cidade. Mas se você já conhece esta parte do mercado, te convidamos a aproveitar o seu lado musical: aos finais de semana, geralmente aos sábados, é comum encontrar grupos de samba e chorinho seja na parte interna do mercado Thales Ferraz ou na parte externa do mercado Antônio Franco. A alegria dos músicos costuma contagiar quem passa. É difícil estar no local e não parar um minuto que seja para ouvir os clássicos nacionais e regionais, entoados nas vozes com o sotaque marcado típico do local. Sente-se e aprecie a música e quem sabe até um tira-gosto.

Chorinho no Parque: seguindo a rota musical no centro da cidade, recentemente um grupo de músicos se juntou para produzir música na praça. A Roda de Choro Sergipana é um coletivo de artistas que se apresentam regularmente aos sábados na Praça Fausto Cardoso e que tem agregado artistas de outras áreas, como a literatura erudita e popular, em um sarau matutino à céu aberto. Não é em qualquer lugar que você encontra isso; então, confira as informações no Facebook Roda de Choro Sergipana e saiba quando será a próxima apresentação. Aproveite para curtir uma boa música sergipana ao ar livre e com vista por Rio Sergipe.

12345505_1013580068715584_963990048880419627_n - facebook

A Roda de Choro Sergipana é um movimento novo, feito por artistas locais, que leva música à praça (Imagem: reprodução Facebook)

Memorial do Poder Judiciário de Sergipe: inaugurado em 1892 e atualmente conhecido como Palácio Sílvio Romero, o local abriga um acervo que inclui registros textuais, iconográficos, sonoros e bibliográficos, retratando diversos períodos da história de Aracaju e Sergipe, em exibição permanente. Alguns salões internos também recebem exposições itinerantes de curta duração, de artistas sergipanos e nacionais. O local também possui um auditório para eventos, mas é a sua fachada que ganha iluminação especial durante o período do Natal para receber uma das mais belas apresentações de coral natalina da cidade: um grande coro de crianças entoa canções tradicionais junto á uma orquestra, na abertura dos festejos natalinos da cidade. Apesar de não estar incluso nos principais roteiros de turismo da cidade, sua estrutura e seu acervo valem a visita. O memorial fica em frente ao Parque Teófilo Dantas, na Praça Olímpio Campos, onde também está situada a catedral metropolitana. Então, não deixe de incluir este ponto no seu roteiro. Saiba mais sobre horário e exposições clicando aqui para acessar o site do Memorial.

Casa Rua da Cultura: este é um espaço bem alternativo e pouco conhecido, até mesmo pelos aracajuanos, mas que é uma boa oportunidade para quem deseja conhecer a cena cultural teatral de Aracaju. O local é mantido por um grupo independente de teatro chamado Stultífera Navis, que iniciou os seus trabalhos desenvolvendo um projeto de ocupação do espaço público, chamado “Rua da Cultura”. Com o tempo, o projeto ganhou volume e o grupo conseguiu um espaço físico para servir de apoio para a realização de diversos projetos. A Casa possui uma sala de espetáculos com eventos realizados pela própria Stultífera, inclusive em parceria com outras companhias do estado, voltados para o público adulto e infantil, distribuídos em temporadas, e um ponto de leitura com acervo disponível para visitantes. Além disso, a Casa Rua da Cultura fica em frente à Praça Camerino, recentemente reformada, e quase ao lado do Museu da Gente Sergipana. Ou seja, mesmo pra quem está no roteiro turístico, dá pra incluir este local entre os que serão visitados. Para acompanhar as temporadas de apresentações, confira no site Casa Rua da Cultura clicando aqui.

Cacique Chá: a antiga casa de chá frequentada por diversas personalidades aracajuanas no início do século XX, é um prédio particular localizado na Praça Olímpio Campos e que possui, em sua estrutura, pinturas originalmente feitas pelo artista Jenner Augusto. Após o fechamento da casa de chá, o prédio passou por diversos aluguéis e fechou as portas por longos anos; até que, em 2015, foi reaberto já sob a custódia do SENAC como parte da escola de gastronomia e laboratório estudantil dos alunos dos cursos de culinária, garçonaria e turismo. Não bastasse ser apenas um restaurante, o local também recebeu um acervo de peças do artista que deixou suas marcas nas paredes do prédio, tornando-se também um memorial à Jenner Augusto. O lugar, que nunca deixou de ser lembrado pelos aracajuanos, agora tem um motivo a mais para ser visitado. Aliás, um não, dois: conhecer o memorial e experimentar a culinária do restaurante. Não deixe de conhecer o lugar.

cacique_cha_550x312 - foto reprodução site senac

O novo Cacique Chá abriga um restaurante-escola do SENAC e um memorial à Jenner Augusto (Imagem: site SENAC)

Galeria de Artes Álvaro Santos: continuando o passei pela praça Olímpio Campos, exatamente na mesma rua, só que do outro lado da praça, está localizada a Galeria de Artes Álvaro Santos. O prédio fica exatamente onde funcionava o antigo aquário de Aracaju, sendo transformado em galeria nos idos da década de 1960. Atualmente, a GAAS é um reduto de exposições e mostras coletivas com destaque para os artistas sergipanos, desde os mais reconhecidos, como J. Inácio, até o famoso Salão dos Novos, evento que ocorre uma vez por ano e revela os novos talentos do estado. O lugar ideal para saber mais sobre a arte e a cultura do povo sergipano.

O Centro Histórico pode não ser um local muito valorizado por conta do seu aspecto comercial e antigo, mas é, sem dúvidas, uma excelente experiência para se viver uma Aracaju desde a sua história até o seu presente, vislumbrando seu futuro.

Ah, e se você já está pensando no próximo feriadão, que tal fazer uma simulação de reserva agora pelo site do hotel? Clique aqui e confira as tarifas e disponibilidades para você vir conhecer nossa cidade, se encantar com as belezas de Aracaju e descobrir o jeito Celi Hotel de lhe servir com qualidade.

Até breve!

Observação: as informações que constam neste post podem ser modificadas sem prévio aviso. Dados e informações foram retiradas do Portal da TV Sergipe (sobre o Cacique Chá e sobre a Capela São Salvador), site SENAC, site da Casa Rua da Cultura, site do Tribunal de Justiça de Sergipe (sobre o Memorial do Poder Judiciário), do Facebook Roda de Choro Sergipana e do Site da Universidade Federal de Sergipe (sobre a história de Aracaju: http://www.ufs.br/conteudo/aracaju-entre-evolu-urban-stica-diversidade-arquitet-nica-2989.html)

 

Um passeio por Sergipe: roteiro de 8 dias em Aracaju e no interior

Voltamos!

E vamos continuar nossa sequência de roteiros para quem está vindo à Sergipe e quer chegar aqui já sabendo exatamente o que fazer. Nesta postagem, apresentamos um roteiro de 8 dias de viagem à Sergipe e pode parecer que basta pegar o roteiro anterior e tirar um ou outro passeio e pronto! Tá feito! Mas essa não é nossa proposta. Claro que existem alguns lugares que estarão presentes em todos os roteiros, principalmente na capital sergipana. Mas, o mais legal é variar; então, você vai perceber que neste roteiro terão alguns locais e passeios que não foram citados no anterior. Assim, você poderá escolher entre seguir esta nova opção ou mesclar com as sugestões que já foram dadas (e aquelas que ainda vão aparecer nas próximas postagens). Isso não quer dizer que um é melhor do que o outro, tudo depende do que você mais curte fazer e do que tem como prioridade conhecer. Não dá pra conhecer completamente tudo de uma única vez. Por isso, recomendamos que volte mais vezes para fazer vários roteiro diferentes! 😀

Agora, vamos lá!

O Centro de Arte e Cultura J Inácio na Orla de Atalaia possui uma enorme variedade de itens de artesanato típicos do estado

O Centro de Arte e Cultura J Inácio na Orla de Atalaia possui uma enorme variedade de itens de artesanato típicos do estado

1º dia: Bem-vindo à Aracaju – o Celi Hotel Aracaju, como grande parte dos hotéis da cidade, fica na Orla de Atalaia. Por este motivo, neste roteiro, vamos iniciar o seu passeio por aqui, para que você possa conhecer o mais famoso cartão postal da capital sergipana. A urbanização da Orla de Atalaia inclui diversas opções de lazer para toda a família que vão muito além da praia. Iniciando o passeio próximo ao farol, siga na direção sul e vai começar encontrando o Centro de Cultura e Arte J. Inácio e a Feira do Turista. Este dois locais estão muito próximos e podem ser visitados durante o dia ou a noite (o centro de cultura funciona até às 21h e a feira até a meia-noite, todos os dias da semana). Mas você pode aproveitar para fazer este passeio durante o dia. Como a Feira do Turista abre às 8h, aproveite para conhecer o local, logo após o café da manhã, lá, além de comprar lembrancinhas, você vai conhecer algumas guloseimas que são bem comuns por aqui como as queijadas e diversos doces com mangaba (uma fruta que é tipicamente sergipana).

Os arcos da Orla de Atalaia são cartão postal da cidade de Aracaju

Os arcos da Orla de Atalaia são cartão postal da cidade de Aracaju

Depois, visite o Centro de Cultura, que abre às 9h, e aproveite para se informar sobre os mais variados tipos de artesanato sergipano, inclusive sobre a renda irlandesa, que foi tombada como patrimônio nacional pela forma como é desenvolvida no município de Divina Pastora, no interior do estado. Depois disso, dê uma pausa, tome uma água de coco e se refresque um pouco. Mais à frente, tem o Oceanário de Aracaju, mantido pelo projeto Tamar, e que reúne em 18 aquários uma amostra da vida marinha, principalmente do que se preserva na costa litorânea de Sergipe. Caso você esteja com crianças, este é um passeio que elas costumam adorar! E bem próximo ao Oceanário, ainda tem os lagos artificiais: um ótimo lugar para relaxar ou para fazer um passeio nos pedalinhos com os pequenos. Outro lugar que eles também amam na Orla de Atalaia é o Maravilhoso Mundo da Criança um parque como aqueles de antigamente, onde a criatividade e a diversão estão garantidas! Pausa para fotos no Monumento aos Formadores da Nacionalidade: um conjunto de estátuas de grande ícones brasileiros como Tiradentes, Princesa Isabel, dentre outros, que são responsáveis por grandes fatos que mudaram o Brasil, enquanto nação. A essa altura, já deve estar próximo da hora do almoço e você está pertinho do Celi Hotel, que tal almoçar no hotel pra depois seguir em frente? Bom, independente de onde faça a refeição, seguindo em frente você vai fazer uma deliciosa caminhada até os arcos, que são o símbolo da Orla de Atalaia; aqui a foto é obrigatória e costuma ficar linda! Neste espaço, também fica o Centro de Informações Turísticas da Orla, então, se você tiver alguma dúvida ou desejar informações diferentes das que estão por aqui, pode parar lá e perguntar ou apenas pegar um mapa turístico da cidade para se localizar melhor. Alguns metros à frente, tem o Monumento aos intelectuais e escritores sergipanos. Sua selfie vai ficar muito mais divertida interagindo com as estátuas de nomes como Sílvio Romero e Tobias Barreto. Alguns metros mais à frente, um caranguejo gigante te dá as boas-vindas ao point dos bares e restaurantes da Orla de Atalaia: a Passarela do Caranguejo. Se quiser tirar o resto da tarde para ficar de bobeira à beira mar, aqui é uma boa opção. Escolha o lugar que mais te agradar e aproveite o momento de relax. Para as crianças, tem ainda uma pista de patins e skates, e um parquinho para distrair os pequenos. Se estiver em grande número, você pode aproveitar as quadras para jogar futebol, basquete, vôlei, tênis… tem espaço para todos os esportes e para os praticantes ou amadores de todas as idades. Se estiver de carro, ao final da tarde, recomendamos que vá até a Orla Pôr do Sol. O lugar fica mais distante da Atalaia mas é muito bonito e agradável aos finais de tarde. Aos sábados, o espetáculo do entardecer fica ainda mais bonito com um sanfoneiro tocando música ao vivo. Excelente forma de terminar seu primeiro dia em terras sergipanas.

O Pantanal de Pacatuba é uma beleza a ser descoberta

O Pantanal de Pacatuba é uma beleza a ser descoberta

2º dia: o fabuloso Cânion de Xingó – falamos sobre ele no roteiro anterior. Este é realmente um passeio obrigatório para quem vai ficar mais de 5 dias na cidade, por ser um passeio mais longo. A beleza do lugar é única e há ainda a oportunidade de pernoitar na região e fazer a trilha na Rota do Cangaço. Leia mais em 4º dia: navegando entre as rochas.

3º dia: visita ao Pantanal Sergipano – esta é uma dica muito banaca de um local que poucas pessoas conhecem, mesmo os sergipanos. Pacatuba é uma cidade que fica há pouco mais de 100 Km de Aracaju e tem se destacado pelo turismo ecológico. Para chegar até lá, você pode ir de carro pela SE-100 ou de micro-ônibus, com saída da rodoviária nova de Aracaju. A cidade, que fica próximo à foz do São Francisco, possui uma reserva biológica e tem ganhado reconhecimento por conta dos 40 km quadrados de área pantanosa. Informe-se assim que chegar ao local sobre os passeios pelo pantanal. A vegetação exuberante vai te levar a outros lugares do Brasil, sem sair de Sergipe. A fauna local também é bem diversa e abriga diversos animais pouco encontrados no estado: lontras, jacarés do papo amarelo e guigós, entre outros. Uma opção mais tranquila no município, é conhecer a praia de Ponta dos Mangues: o lugar costuma ser pouco visitado e atrai principalmente surfistas que se deslumbram nas ondas altas do mar claro da região. As dunas fazem limite com o mangue e mudam radicalmente a paisagem da região em pouco metros. E se desejar levar uma lembrança do local, procure pelo artesanato de palha que é típico da região, graças à grande quantidade de coqueiros encontrados na costa local, e que garante o trabalho de dezenas de artesãos na região.

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

4º dia: pelas ruas de Aracaju – neste dia, sugerimos fazer o passeio pelo centro histórico da cidade, mas, vamos te dar um roteiro diferente. Se estiver de carro, você pode começar pela manhã visitando a colina do Santo Antônio. O local possui uma belíssima vista da cidade e a igrejinha remonta aos anos em que Aracaju foi fundada, já que este é o primeiro bairro da cidade. De lá, você vai visualizar a ponte Construtor João Alves, também conhecida como a ponte Aracaju – Barra dos Coqueiros. Inaugurada no ano de 2006, esta ponte se tornou a principal travessia para o município vizinho; o que, até antes do seu surgimento, era feito apenas através de balsas e pequenas embarcações. Descendo a colina do Santo Antônio em direção à ponte, é possível ver a chamada Orlinha do Bairro Industrial: uma urbanização com bares e pistas de caminhada que também serve como mirante para o Rio Sergipe e para a ponte. Seguindo a Orlinha direto em sentido sul, você vai chegar ao mercado central. Lá, procure um estacionamento, e aproveite para caminhar pela região. Num raio de aproximadamente 500m, você terá também o Memorial Zé Peixe (antigo terminal hidroviário) e o Centro Cultural de Aracaju (no prédio onde era a antiga Alfândega local). lembre-se sempre – e nunca é demais avisar! – que é importante conferir o horário de funcionamento de tudo isso antes de fazer este roteiro, pois alguns locais modificam o horário de funcionamento aos finais de semana e outros fecham em determinado dia. Depois de visitar estes dois locais, você pode voltar para o mercado e almoçar num dos restaurantes populares. Se preferir uma culinária mais rebuscada, sugerimos ir de carro até o Museu da Gente Sergipana e degustar as delícias do Café do Museu, num ambiente sofisticado e agradável. Estando lá, aproveite para visitar o museu e dar uma esticadinha até a praça Fausto Cardoso, onde fica o Museu-Palácio Olímpio Campos. A pausa para descanso pode ser dentro do próprio museu, que tem um café, reinaugurado há pouco tempo, muito simpático e aconchegante. Ao sair do museu, você ainda pode visitar a Catedral Metropolitana, que fica na praça ao lado, a Olímpio Campos, e finalizar  a tarde conhecendo o Centro de Artesanato que fica na Rua do Turista. Depois de tudo isso, vale a pena fazer uma foto na Ponte do Imperador quando estiver voltando para pegar o carro.

O Parque dos Falcões preserva as aves e garante um passeio divertido para toda a família

O Parque dos Falcões preserva as aves e garante um passeio divertido para toda a família

5º dia: a serra e o parque – sobre a Serra de Itabaiana falamos no post anterior (é só clicar e conferir o 3º dia: aventura na serra). Mas, dessa vez, além de  falar sobre a serra, vamos reforçar sua esticadinha até o Parque dos Falcões. O local foi fundado 1999 por José Percílio, com o intuito de proteger e cuidar das aves que são típicas da região. O valor pago para ter acesso ao local é revertido para a manutenção do mesmo; e como fica próximo à Serra de Itabaiana, atrai um grande quantidade de turistas que vão até a serra para trilhas e rapel. A depender do seu roteiro na serra é possível fazer as duas visitas em um único dia. Caso você contrate um receptivo, avise com antecedência sua vontade de conhecer o parque para que eles possam programar a visita, que costuma ser agendada. Uma outra dica bem legal para quem transita pela BR nessa região é passar na Casa do Doce Caseiro, uma casa simples que fica no meio da estrada mas que produz doces deliciosos. Experimente os doces em calda como o de caju e de carambola!

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

6º dia: dobradinha sergipana (São Cristóvão e Laranjeiras) – essas duas cidades são muito procuradas por turistas, por conta de seu patrimônio histórico (São Cristóvão tem uma de suas praças tombadas como Patrimônio da Humanidade). Então, se você não tem tantos dias para ficar em Sergipe e quer otimizar sua estada por aqui, que tal fazer uma dobradinha e conhecer as duas cidades num dia só? Para isso, sugerimos que vá de carro, pois os horários dos ônibus podem não contribuir para essa otimização do seu tempo de viagem. São Cristóvão fica a aproximadamente meia hora ao sul de Aracaju. Quarta cidade mais antiga do país, guarda muito da sua história na arquitetura de suas igrejas e nos museus existentes na cidade. A Praça São Francisco foi tombada em 2010 como Patrimônio da Humanidade, devido a representatividade histórica do seu conjunto arquitetônico que reúne igreja e convento na praça onde foi fixado um cruzeiro pelos frades franciscanos que habitaram em meados do século XVII, logo após sua formação.

São Cristóvão e Laranjeiras podem garantir um longo dia de passeio

São Cristóvão e Laranjeiras podem garantir um longo dia de passeio

Como você terá no máximo um turno para visitar a cidade, aproveite o curto espaço de tempo para conhecer o museu de Artes Sacras e o Museu Histórico de Sergipe, além do conjunto arquitetônico da Praça São Francisco e o complexo do Carmo, que inclui o Convento do Carmo, a Igreja do Carmo Conventual (Carmo Maior) e a Igreja da Ordem Terceira (Carmo menor), bem como o Museu dos ex-votos, que fica anexo à igreja. Neste percurso, não deixe de passar no Lar Imaculada Conceição, onde são confeccionados os famosos bricelets: biscoitos doces deliciosos de massa fina e receita que é um verdadeiro mistério guardado à sete chaves. Daí, você parte para Laranjeiras, subindo pela BR 101, são aproximadamente 30 minutos de viagem de uma cidade à outra. Apesar de conservar a arquitetura antiga, as casas da cidade possuem um estilo diferenciado com ladrilhos coloridos que enfeitam as fachadas das casas e enchem a cidade de cor e alegria. O conjunto de igrejas de Laranjeiras é um dos maiores do estado e algumas delas foram construídas propositalmente em pontos altos da cidade, para que fosse possível observar o antigo vilarejo. Hoje, elas garantem belas fotografias, como é o caso da Igreja do Senhor do Bomfim e a Capela Bom Jesus dos Navegantes. A casa de Cultura João Ribeiro, o Museu de Artes Sacras e o Museu Afro-brasileiro também são paradas obrigatórias para conhecer mais da cidade. Lembre-se de procurar por um guia local: eles irão auxiliá-lo com relação ao acesso a estes locais, horários de funcionamento e segurança. Esse passeio dois em um vai te mostrar um pouco da história de Sergipe e do seu povo.

A cidade no entardecer, vista da Ilha de Santa Luzia (conhecida como Barra dos Coqueiros)

A cidade no entardecer, vista da Ilha de Santa Luzia (conhecida como Barra dos Coqueiros)

7º dia: do outro lado do Rio Sergipe – no post anterior, falamos sobre Pirambu. Atualmente, o melhor acesso para a região é pela Ponte Construtor João Alves (Ponte Aracaju/Barra). Então, atravessar o Rio Sergipe é, na verdade, descobrir o outro lado da praia, e esta é uma costa do nosso estado que é mesmo muito bonita! Se quiser ir até Pirambu e conhecer o projeto Tamar, leia 8º dia: Pirambu e as tartarugas Caso não queira ficar por lá, volte para a Barra dos Coqueiros e vá contornando o litoral: ao norte, a Praia do Jatobá ainda é um lugar tranquilo para quem quer curtir a praia sem muita gente por perto. Não existem muitos bares e a estrutura local é bem simples. É pra quem gosta de armar o guarda sol e curtir o mar. Ao sul, a Praia da Costa é um point local e reúne diversos aracajuanos que atravessam a ponte em busca de uma praia diferente para relaxar. Mais à frente, a Atalaia Nova tem se desenvolvido e já se tornou uma cidade conhecida pelos eventos estaduais que costuma receber, levando artistas nacionais e turistas de todo o país ao local. Longe da folia dos eventos, de um lado você vai tomar banho no Rio Sergipe e do outro um grande mar te espera de braços abertos para a tranquilidade. A escolha é sua, agora é só relaxar! Ah, e confira o artesanato local: a popular renda de filé é base para as peças mais variadas, desde toalhas de mesas até vestidos! Vale a pena levar uma lembrança dessas pra casa.

A Praia do Saco foi considerada como uma das 100 mais bonitas do mundo

A Praia do Saco foi considerada como uma das 100 mais bonitas do mundo

8º dia: Estância além do São João: já falamos algumas vezes sobre a cidade de Estância. Já contamos sua história e falamos do seu São João, mas a cidade vai muito além do famoso “barco de fogo”. Localizada há aproximadamente 70Km da capital Aracaju, Estância possui um belo casario antigo dentro da cidade, que reflete a beleza da arquitetura local. Mas é o litoral que chama a atenção pela grandiosidade das belezas naturais. A Praia do Abaís possui grande estrutura de bares e é altamente frequentada por sergipanos e turistas; já a a Praia das Dunas possui piscinas naturais temporárias e, por ficar numa rota entre duas praias com maior estrutura, termina sendo pouco visitada, tornando-se um verdadeiro paraíso deserto. Mas, a mais famosa das praias estancianas é a Praia do Saco: considerada uma das 100 mais bonitas do mundo por uma publicação francesa, esta costa de águas quentes e areia fina atrai dezenas de turistas e sergipanos. Há, ainda, a Lagoa dos Tambaquis, um ambiente natural onde os visitantes podem interagir com os peixes que são domesticados e aceitam cordialmente o contato com aqueles que desejam interagir com a fauna local. Uma experiência única e para ser apreciada por pessoas de todas as idades!

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

E aí, já decidiu quando você vem pra Sergipe? Vai seguir o roteiro acima à risca ou vai mesclar com algumas sugestões do roteiro anterior? Sentiu falta de alguma coisa sobre a qual já ouviu falar e não comentamos aqui? Calma, pois ainda temos mais 3 roteiros para divulgar, mas aceitamos suas sugestões para dar ainda mais opções para aqueles que vem à Sergipe e pretende descobrir as belezas locais. Tem muito para se descobrir neste pequeno notável e nós estamos aqui para te auxiliar nesta experiência que promete ser extremamente gratificante. Ah, e para quem vai prolongar as férias, o Celi Hotel Aracaju está com tarifas promocionais para reservas durante o mês de Agosto. Que tal vir à Sergipe e ainda hospedar-se no Celi Hotel com uma tarifa super promocional? Clique aqui, fala sua simulação e confira. Te esperamos em breve e voltamos na próxima semana com um novo roteiro. Até lá!

Fonte: Turismo Sergipe, Infonet, Sergipe Trade Tour.

Nas ruas de Ará

Andar pelas ruas do Centro Histórico de Aracaju é uma possibilidade de descoberta a cada passo. Além dos principais museus estarem na região, ainda é possível conhecer monumentos e memoriais que contam sobre a história do povo desse lugar, sua cultura e tradição. Começando pela Praça Fausto Cardoso, o ar bucólico do local vai te transportar para um passado charmoso e cheio de história. Coretos e estátuas adornam a praça que leva o nome de um dos grandes memoráveis sergipanos, que se destacou na política e como jurista, jornalista e escritor. A praça também é conhecida como “Praça do Palácio” por abrigar o antigo palácio do governo que hoje se tornou um museu (veja no post anterior mais informações sobre o Museu-Palácio Olímpio Campos).

Bela vista da Ponte do Imperador Iluminada à noite

Vista da Ponte do Imperador Iluminada

Com vista para o Rio Sergipe, da praça é possível ver um famoso atracadouro que ficou conhecido como “Ponte do Imperador”: um espaço que avança por alguns metros por dentro do rio e que te permite fazer ótimas fotos de todo o calçadão e da própria praça Fausto Cardoso, que já foi chamada de “Praça do Imperador” por conta do atracadouro. E este é um espaço bem interessante. Foi construído para receber as embarcações do imperador D. Pedro II em sua visita à província no ano de 1860; sendo sua estrutura original em madeira posteriormente refeita para o que pode ser visto atualmente. O nome de “ponte” foi dado nesta época pelo tamanho e imponência da construção para o local, e perpassa por gerações até os dias atuais.

A alameda das Palmeiras Imperiais da raça Fausto Cardoso, dos tempos de D. PedroII

A alameda das Palmeiras Imperiais da Praça Fausto Cardoso, dos tempos de D. PedroII

Voltando para a Praça Fausto Cardoso, você verá ainda uma passarela com palmeiras centenárias que vão te levar até a praça Monsenhor Olímpio Campos, também conhecida como “Praça da Catedral”, por abrigar a igreja matriz N. Sra. da Conceição, uma das mais conhecidas da cidade. A igreja, por sinal, é o ponto que marca a divisa entre a praça e o parque Teófilo Dantas. Na praça, além do belo prédio em estilo neogótico da catedral, você pode visitar a galeria de arte Álvaro Santos e conhecer obras de artistas sergipanos comumente expostas no local. A feirinha de artesanato, diariamente no local, e o antigo prédio do Cacique Chá, recentemente reformado e com painéis originais do artista plástico Jenner Augusto, também já se tornaram patrimônio desta praça. Já pelo lado do Parque Teófilo Dantas, e um lago artificial com peixes costuma chamar a atenção das crianças.

Mas o passeio não acaba aí, não. Poucas quadras à frente, na praça General Valadão, o Centro Cultural de Aracaju está localizado no marco zero da cidade, onde já foi o prédio da antiga alfândega. O local foi inaugurado em 2014 e possui múltiplos espaços de exposição e criação cultural: núcleo de produção digital, revistaria, sala de cultura popular, museu, entre muitos outros ambientes dedicados à arte e cultura da capital sergipana. O espaço funciona de terça à domingo, das 8h às 17h, e tem acesso gratuito.

A estátua de Zé Peixe no memorial que leva seu nome e será inaugurado em breve.

A estátua de Zé Peixe no memorial que leva seu nome e será inaugurado ainda este ano

Seguindo pelo calçadão, às margens do rio, ao fundo do Centro Cultural, um novo espaço para valorização da cultura local está sendo finalizado: o Memorial Zé Peixe. O antigo Terminal Hidroviário da cidade foi completamente reformado e dedicado ao prático que durante muitos anos atravessava o rio Sergipe à nado para guiar as embarcações que chegavam ao porto: o popular Zé Peixe, como ficou conhecido o senhor José Martins Ribeiro Nunes. Ele é, sem dúvida, umas das figuras populares e lendárias da cidade. Esta é uma das novidades de espaço cultural da capital sergipana, que deve ser aberto ao público ainda no primeiro semestre de 2015*.

E se depois disso tudo ainda tiver com disposição para continuar andando, que tal ir até o mercado? Sobre ele, vamos comentar num próximo post, afinal, tem muita coisa para se ver por lá. Esperamos que tenham aproveitado essas dicas e, se desejarem mais informações sobre estes espaços, deixe seu comentário, vamos tentar atende-lo; e assim, vamos conhecendo cada dia mais a nossa pequena notável.