São José: um santo lugar!

Olha a gente aqui de novo!

A semana passou rápido e já estamos de volta com mais uma opção de lugar à ser descoberto aqui em Aracaju.Desta vez, vamos apresentar a vocês um bairro que até poderia ser turístico, mas (talvez ainda) não é. Ao lado do centro da cidade, o bairro São José atualmente é conhecido pelo grande número de hospitais, clínicas, consultórios e centros médicos que se localizam em suas imediações.

– E o que isso tem de turístico?

– Nada! Assim ele é conhecido, mas saiba que existe muita coisa além de médicos neste bairro.

Antes de falar das opções de lugares legais para turistas que se pode encontrar no bairro São José, vamos primeiro falar sobre sua história; afinal, este é um dos bairros mais antigos da cidade e o primeiro a representar a expansão da capital sergipana.

História do “Carro Quebrado”

Carro quebrado: este era o antigo nome do bairro que ficou conhecido assim por conta dos inúmeros veículos que atolavam no local devido os terrenos da região serem pantanosos. E esta realmente não é uma boa maneira de ser lembrado. Mas logo o bairro passou a ser chamado de São José, após a implantação da igreja com o nome do santo, que tornou-se referência no local. Foi justamente em torno da paróquia que o povoamento se iniciou. A construção do Colégio Patrocínio de São José por feiras da congregação franciscana foi outro marco para o local que logo passou a ser visto como uma possibilidade de bairro residencial. As primeiras casas da região foram habitadas por uma elite que começava a aparecer na cidade e queria um pouco mais de privacidade, saindo da exposição movimentada do centro para habitar áreas circunvizinhas e tornando o novo bairro um reduto de mansões.

Na década de 1950, o São José conheceu sua urbanização: praças, calçadões e ruas pavimentadas começam a aparecer no bairro que também recebeu o primeiro estádio de esportes da cidade que, após a reforma realizada uma década depois, passou a ser chamado de Estádio Lourival Batista; sendo atualmente conhecido como Arena Batistão. Mas, a partir da década de 1970, o centro de Aracaju começou a ficar pequeno para as atividades comerciais que se intensificaram e o bairro São José iniciou um processo de transformação: as antigas residências passaram a dar espaço aos prédios e pontos comerciais, e o bairro passa a ver o desenvolvimento chegar em forma de novos negócios. Daí até o novo século, o São José cresceu e para ser o que é hoje: um dos bairros mais conhecidos e tradicionais da cidade.

Conheça este santo lugar!

Ruas arborizadas, diversas praças e um pouco da história de Sergipe, além de um comércio sólido, compõem atualmente o São José. Apenas isto não é o suficiente para que um turista se interesse pelo local, mas existem muitos espaços públicos e alguns privados que valem a visita. Seja para conhecer mais sobre nossa história, apreciar a cultura sergipana ou degustar os sabores local, saiba que o bairro São José está recheado de opções que podem te interessar e mais ainda: te surpreender!

foto agencia se de notícias

O Estádio Estadual Gov. Lourival Baptista agora é conhecido como Arena Batistão (Foto: reprodução Agência Sergipe de Notícias)

Estádio Estadual Lourival Batista / Arena Batistão: este é o maior estádio de futebol de Sergipe. Com capacidade atual para 15.575 pessoas, foi entregue à população  completamente modernizado há pouco mais de um ano e já recebeu diversos estaduais e de campeonatos nacionais durante o período. Sua iluminação externa destaca o prédio reformado e ainda mais imponente, chamando a atenção dos passantes pelo local. O estádio só abre ao público em dias de jogos. Então, se quiser conhecer a Arena Batistão por dentro, fique de olho nos campeonatos e confira os jogos a serem realizados no local.

Teatro Atheneu: saindo do esporte para as atrações culturais da cidade, precisamos falar sobre o Teatro Atheneu. O mais antigo teatro da cidade foi inaugurado em 1954 e tem capacidade para mais de 800 pessoas, incluindo a acessibilidade de assentos especiais. Após a última reforma, realizada em 2011, a fachada externa do Atheneu recebeu painéis em homenagem aos grandes representantes locais do teatro sergipano e um espaço cultural, que conta com cafeteria e salas de exposições. Para conferir a programação do local, que inclui espetáculos com artistas sergipanos e nacionais das mais diversas áreas, clique aqui e confira o site o teatro.

Sociedade SEMEAR: apesar de ser um espaço relativamente novo no bairro, a Sociedade de Estudos Múltiplos, Ecológica e de Artes, conhecida como SEMEAR, atua ativamente na produção cultural da cidade. Inaugurado em 2001, funciona como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), em um prédio que é um verdadeiro complexo com galeria de exposição, salas de aula, auditório e espaços abertos que são amplamente utilizados em eventos com foco na cultura e na arte sergipana. Sua galeria de arte, que leva o nome de um grande artista, sergipano de coração, Jenner Augusto, está sempre aberta para visitação e é uma excelente oportunidade para conhecer de forma gratuita os talentos locais. E fica a apenas uma quadra do Teatro Atheneu, na rua Vila Cristina. Clique aqui para saber das novidades visitando o site da SEMEAR.

CULTART: o Centro de Cultura e Arte conhecido como CULTART está localizado na Av. Beira Mar, em um prédio tombado como Patrimônio Histórico Estadual.Construído em 19874 para abrigar um orfanato, o local já serviu também como Grupo Escolar e Faculdade de Direito, antes de passar a ser mantido pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e transformado no CULTART. O prédio é um verdadeiro complexo com dezenas de salas que são utilizadas pelos cursos de Dança, Teatro e Artes Visuais, oferecidos pela universidade; além da Pinacoteca Professor Luiz Alberto dos Santos e da Galeria de Arte Florival Santos, que frequentemente expõem obras de artistas sergipanos. O CULTART funciona de segunda à sexta-feira, das 08 às 18h, e aos sábados, das 08 às 12h; e fica pertinho da Sociedade SEMEAR (num mesmo passeio, você vai conhecer vários lugar!) 🙂

sede_oab_se

À esquerda, uma foto antiga do prédio que foi reformado e hoje abriga a sede da OAB/SE, à direita (Foto: reprodução site Prefeitura de Aracaju)

Memorial da Advogacia Sergipana (Sede da OAB/SE): o antigo palacete da tradicional família Rollemberg hoje serve como sede para a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Sergipe, mas preserva sua arquitetura eclética e a beleza histórica do lugar. O prédio, tombado como patrimônio histórico em 1980, passou a ser a nova sede da OAB/SE após a reforma realizada em 2010, que deu origem também ao Memorial da Advocacia Sergipana. Um verdadeiro acervo de documentos jurídicos, peças históricas e outros tantos itens que retratam o passado de Aracaju e Sergipe, principalmente, no âmbito jurídico. O local é aberto ao público mas as visitas guiadas devem ser agendadas pelo e-mail presidente@oabse.gov.br Caso queira ter uma noção do lugar, que tal fazer agora mesmo uma visita virtual? Clique aqui para conhecer o tour 360º desenvolvido pela OAB.

Sabores de Aracaju: está no bairro São José e não quer ir até o mercado para comprar aquelas coisinhas gostosas com sabor de Sergipe? Nem precisa! A loja Coisas Nossas funciona na Av. Augusto Maynard nº 92 (próximo ao Memorial da OAB/SE) e é um cantinho recheado de biscoitos caseiros, doces regionais e muita comidinha gostosa para quem não quiser voltar com a mala vazia. Ah, e por falar em mala, é só solicitar que eles embrulham suas compras naqueles plásticos com bolhas de ar para que você despache tudo junto com sua bagagem sem problemas! Mas, se você quer mesmo é se refrescar no calor de Aracaju, atravessa a Av. Augusto Maynard e vai no número 77: a Sorveteria Vi Sabor possui os mais variados sabores de sorvetes, tendo como carro-chefe aqueles com frutas regionais como jabuticaba, mangaba, cajá, dentre outros. Em atividade há mais de 40 anos, possui história e é muito frequentada por locais e turistas. Um daqueles lugares para estar e se sentir um autêntico aracajuano.

E aí, o que achou das nossas dicas de hoje? Gostou de saber um pouco sobre o bairro São José? Deixe seu comentário e sua avaliação. Contamos com a participação dos nossos seguidores e de todos os visitantes para fazer este blog ser ainda melhor e mais útil para quem quer não apenas conhecer a cidade, mas viver Aracaju.

Ah, e não se esqueça, o feriado de Páscoa está chegando! Faça sua reserva agora mesmo em nosso site e venha descobrir Sergipe e suas belezas! Clique aqui e garanta sua estada conosco. Nós, do Celi Hotel Aracaju, estamos esperando por você!

Observação: dados e informações foram retiradas do site do Guia Sergipe Tradetour, site da Agência Sergipe de Notícias (sobre o Batistão), site do Teatro Atheneu, da Sociedade Semear, site da Universidade Federal de Sergipe (sobre o Cultart), site da OAB/SE (sobre o Memorial da Advocacia Sergipana), Facebook Coisas Nossas e TripAdvisor (sobre a Sorveteria Vi-Sabor).

De encher os olhos e dar água na boca

Vamos continuar nossas postagens destacando as festividades juninas até o final do mês, quando São Pedro fechar o período de festa; afinal, temos muito para falar sobre esta expressão autenticamente nordestina. E o assunto de hoje é o mais saboroso possível, pois é neste período onde mais se consomem as comidas típicas do Nordeste. Um bom cardápio junino reúne diversas opções de pratos, em sua maioria, com base de milho, coco e tapioca. E nem precisa de garfo e faca! Conhecer um pouco dessas guloseimas é saber mais sobre o povo da região. Então, preste bem atenção nesta postagem: você vai ficar com água na boca!

A culinária junina tem como principal elemento o milho que é plantado no dia de São José

A culinária junina tem como principal elemento o milho que é plantado no dia de São José

Como dito acima, grande parte das comidas do período junino tem como base o milho. E a tradição sobre esta comida se inicia bem antes do dia de São João. Afinal, o milho costuma ser plantado no dia de São José, 19/03; pois, segundo a tradição, se chove neste dia, a colheita será boa durante o mês de Junho. Isso garante uma venda lucrativa para os produtores e uma mesa farta para todos: os que produzem e os que vão se deliciar com o produto da colheita!

E o milho é consumido de todo jeito: cozido, assado (até mesmo na brasa da fogueira), tem bolo de milho, bolo de fubá (que é a farinha do milho), pamonha, além de dois itens muito comuns por aqui mas que confundem os turistas com seus nome diferentes: a canjica, que muitos chamam de curau, e o mungunzá, que se parece com o que alguns conhecem por canjica! Achou confuso? É a regionalização que faz tudo ser diferente neste país continental. Mas, te damos uma dica: vem pra Aracaju experimentar essas delícias e você vai descobrir a diferença na prática. E não existe jeito melhor de reconhecer estas delícias que não seja pelo sabor de cada uma delas.

Ah, e quase esquecemos do pé-de-moleque: o que, para muito é um doce com amendoim, aqui é uma massa de

Arroz doce, canjica e mungunzá são alguns dos pratos mais consumidos pelos turistas

Arroz doce, canjica e mungunzá são alguns dos pratos mais consumidos pelos turistas

tapioca (também conhecida como “puba” e coco, assada na palha da bananeira. Afinal, não é só de milho que se vive no São João: o coco e a tapioca também são base de receitas muito tradicionais e que fazem o maior sucesso por aqui. O beiju, que atualmente se tornou bem conhecido em todo o país, ganha as mais diversas variações: o beijú-molhado, mistura a massa com o leite de coco, que dar um sabor doce à receita; já o sarolho, onde a tapioca se une ao coco ralado, com um sabor mais salgado e textura seca; enquanto o malcasado fica no meio do caminho: nem muito salgado e nem muito doce, nem tão molhado nem tão seco. É como a gente disse: só experimentando pra saber. E com tantas opções, vai ser difícil você escolher o mais gostoso!

Existem ainda outras comidinhas que são comuns no cardápio junino: o arroz-doce, a queijada, o bolo de macaxeira (ou mandioca, ou aimpim – a depender de onde você more, a raiz pode ter nomes diferentes, mas aqui é macaxeira, não esqueça!) e o de puba; além de aperitivos como o amendoim cozido e as castanhas, estes muito comuns no estado durante todo o ano. E que acompanham bem quentão e os licores, que são as bebidas mais consumidas em Sergipe durante o São João. Jenipapo, uva-passa e até a queridinha sergipana mangaba são algumas das frutas utilizadas como base destas bebidas que prometem esquentar a noite do pouco rigoroso inverno nordestino.

No Celi Hotel, os hóspedes vão se deliciar experimentando os pratos típicos da culinária junina com um cardápio especial

No Celi Hotel, os hóspedes vão se deliciar experimentando os pratos típicos da culinária junina com um cardápio especial

Ficou com água na boca? Então, saiba que no Celi Hotel, durante todo o mês de Junho, temos uma verdadeira degustação dessas delícias. Além de saborear algumas destas iguarias durante o café da manhã, nossos hóspedes terão um cardápio especial durante a semana do São João, com cinco pratos típicos diferentes por dia! Você vai se hospedar com conforto e qualidade, em frente à Orla de Atalaia, e ainda vai experimentar o melhor da culinária mais tradicional do estado sem precisar sair do hotel. Dessa vez, a gente caprichou para oferecer o melhor do período junino aos nossos hóspedes.

E não pense que acabou! São João está chegando e na próxima semana o Celi Hotel vai fazer uma surpresa junina para seus hóspedes! Essa festa tem mesmo muito sobre o que falar ou “dá pano pra manga”, como dizem por aqui. Continue conectado com o Celi Hotel Aracaju através do nosso blog ou nas redes sociais. Acesse nosso facebook e o instagram para conferir todas as novidades do hotel e acompanhar de perto a surpresa que estamos preparando. Deixe seu comentário com sugestões e comente sobre o que deseja saber ou ver por aqui. Estamos prontos para te receber e informar sobre o que Sergipe tem de melhor para oferecer; e nossa culinária, sem dúvidas, é uma das boas surpresas que você encontra por aqui! Em breve, tem mais sobre São João. Anavantou!