13 de Julho: uma Praia Formosa

Voltamos!

E ainda mais satisfeitos! Afinal, nossas postagens tem gerado bons comentários e na última semana, mais pessoas começaram a seguir nosso blog! Isso nos faz ter a certeza de que estamos no caminho certo e ficamos muito felizes em saber que, com isso, mais pessoas se interessam por Sergipe e escolhem Aracaju como um novo destino.

Então, que tal conhecer um pouco mais da capital sergipana? Para este post, escolhemos um bairro que todo turista costuma conhecer: o bairro 13 de Julho. Mas a verdade é que muita gente restringe sua visita ao famoso calçadão – o queridinho dos aracajuanos. Seja para caminhar, correr, praticar esportes (voleibol, futebol, basquete…) ou apenas para subir no mirante e apreciar a bela vista do encontro dos rios Poxim e Sergipe, este é um local altamente frequentado e que reflete bem o espírito do povo deste lugar. Ainda assim, o 13 de Julho tem muito mais pra se ver, parar e curtir à beira rio.

Praia Formosa

Foi assim que o bairro ficou conhecido após surgir como uma colônia de pescadores. Antes disso, no século XIX, o local era chamado de Ilha dos Bois, e pertencia a uma tradicional família local. O local só passou a ser conhecido como “13 de Julho” em 1954, quando foi decretada a mudança para o novo nome, que fazia referência ao episódio ocorrido 30 anos antes: um levante que reuniu civis contra as forças militares locais, que queriam tomar o poder administrativo de Aracaju. Este fato, apesar de atualmente ser pouco conhecido, é uma parte importante da história da capital; de modo que deu um novo nome à “praia formosa”.

Durante anos, a Praia Formosa era frequentada por banhistas, por conta de sua proximidade com o centro; permitindo um acesso mais fácil do que a praia da Atalaia, por exemplo. Mas, depois da construção da ponte sobre o Rio Poxim, que prolongou o acesso de quem sai do centro até a Atalaia, os banhistas começaram a abandonar o bairro já conhecido como 13 de Julho, em detrimento do banho de mar.

Com a construção do calçadão e o posterior desenvolvimento imobiliário na região, o bairro passou a ser conhecido como área nobre da capital, com dezenas de casas e prédios luxuosos, além do comércio com foco no público de alto padrão. Hoje, o 13 de Julho preserva muito pouco de sua história, mas se apresenta contemporâneo e vivo; mesmo para quem o olha de passagem para outro ponto da cidade.

Da praia para um grande bairro

Para ir ao bairro 13 de Julho nem sempre é necessário querer. A Avenida Beira Mar é uma das mais movimentadas da cidade e faz ligação entre a zona norte e sul de Aracaju. Com isso, principalmente para os que se hospedam na Atalaia, como os cliente do Celi Hotel Aracaju, é comum passar pelo bairro ao visitar museus, memoriais e outros tantos pontos turísticos localizados no centro da cidade. Mas, que tal dar uma paradinha e descobrir o que você pode só ter visto de passagem?

Monumento_Aracaju_wikipedia

O monumento é obra do artista plástico Eurico Luiz e remonta a simbologia do nome da capital sergipana (Foto: Wikipedia)

Monumento Ser Feliz Aracaju: não tem essa pessoa que passe pelo Largo dos Rádio-Amadores, logo após o Iate Clube de Sergipe, e não note um grande monumento com uma arara e cajus em torno da frase “ser feliz Aracaju”. Obra do artista plástico Eurico Luiz, um paulista  naturalizado aracajuano, que tem várias outras referências espalhadas pela cidade, sempre utilizando elementos que simbolizam a capital sergipana. Esta sua escultura tornou-se um dos grandes símbolos de Aracaju: retrata suas principais referências e ratifica a felicidade pacata do povo que vive aqui. A foto aqui é obrigatória! Então, aproveite e, mesmo que de passagem, pare e fotografe. Nada melhor do que guardar a recordação de um lugar para ser feliz, não é?! 😉

Memorial de Sergipe: o prédio localizado na Avenida Beira Mar já chama atenção quando, logo na entrada, é possível ver duas estátuas: Lampião e Maria Bonita. Seu acervo iconográfico, bibliográfico e museológico soma mais de 20 mil peças, que contam um pouco do desenvolvimento de Sergipe e retrata alguns dos principais períodos da história do estado. Mantido pela Universidade Tiradentes, o Memorial também realiza exposições permanentes e itinerantes, sobre cultura, arte, arqueologia e muitos outros temas ligados à historicidade. Atualmente (Fevereiro/2016), ele encontra-se fechado, mas não podemos deixar de citá-lo nesta lista. Quem sabe quando você estiver por aqui já estará reaberto e terá a possibilidade de conhecer mais um local recheado de boas histórias. Clique aqui para conferir o site e um pouco mais sobre o local.

Espaço Cultural Yázigi Internexus: o espaço inaugurado em 1998 é de propriedade da escola de inglês Yázigi e possui um auditório e uma galeria de arte, com o objetivo de promover a cultura local para o melhor desempenho no ensino da língua inglesa para os alunos. No  auditório com capacidade para 80 pessoas são realizados aulões e palestras, além de peças de teatros, performances e shows, que também podem ser abertos ao público em geral. Já a galeria de arte expõe diversos artistas sergipanos e também serve como espaço para a promoção de eventos ligados à cultura. Quando estiver visitando o bairro, dá uma passadinha no local e confira o que está acontecendo por lá.

mangará

A fachada de casa do interior já mostra que o Mangará é um típico restaurante regional (Foto: site Restaurante Mangará)

Mangará: se você já veio à Sergipe, sabe que “Mangar” é uma palavra muito utilizada por aqui e tem como significado “caçoar, desdenhar”. Mas, apesar disso, Mangará não é futuro do presente deste verbo nordestino! 😀 O local é um restaurante  com um jeito todo sergipano e que serve as mais variadas comidas típicas de Sergipe e do Nordeste de segunda à domingo, das 17h40 às 22h, sendo que no primeiro dia da semana também abre para almoço das 11h40 às 15h. Além da comida, o lugar em si já é uma atração à parte: paredes decoradas, painéis para fotos e uma lojinha que vende artigos decorativos e comidinhas, que podem ser levadas como lembranças do local. Depois de tanto passear pelo bairro, vale a pena passar por lá.

João do Alho: esta indicação vem do próprio Caetano Veloso; então, a gente não pode deixar passar! Não entendeu? Explicamos! Em “Aracaju”, música do disco “Cinema Transcendental” de 1979, o Caetano canta a capital sergipana, fala sobre cajus, araras, o “melhor lugar” e cita o restaurante em sua música. A estrofe diz:  “Aracaju / Terra cajueiro papagaio / Araçazu / Moqueca de cação no João do Alho”. Se está recomendado pelo Caetano Veloso, confere lá!

E aí, gostou de nossas indicações de hoje? Para quem gosta de compras, o bairro 13 de Julho também possui diversas opções de lojas em diversas galerias. As residências antigas estão dando espaço a novos centros comerciais e restaurantes, e algumas poucas edificações verticais se insistem e persistem no desenvolvimento do bairro. Andando pelas ruas ou mesmo pelo calçadão, você  verá um pouco do que há de novo e antigo, bem representativo na cidade. Descobrir novo lugares é conhecer Aracaju de uma forma diferente: sentir-se aracajuano e entender o que significa “Ser Feliz Aracaju”.

 

Observação: dados e informações foram baseados em texto encontrados no site da Prefeitura de Aracaju,   da Unit – Universidade Tiradentes, da Wikipédia (Artigo sobre Lourival Baptista e sobre o bairro 13 de Julho), do Blog Aracaju Saudade, do site MUBE Virtual (sobre a escultura de Eurico Luiz) e do site do Governo de Sergipe (Agência Sergipe de Notícias). Foto da capa: Aluizio Accioly.

Se aqui tem carnaval? Tem sim, senhor!

Esta semana vamos abrir uma exceção à nossa nova série de postagens, afinal, estamos às vésperas do carnaval! Sergipe sempre foi um destino visto como opção para quem não curte grandes festas e procura por paz e sossego. Mas, se você vem para Aracaju e não quer deixar de aproveitar a folia de momo, saiba que o carnaval de rua tem crescido muito por aqui nos últimos anos.

No último final de semana, ainda em Janeiro, vários blocos nos mais variados bairros da cidade, começaram a propagar a folia de momo pelas ruas da capital sergipana. Seja com a tradicional orquestra de frevo ou com mini trios elétricos, a animação tomou conta das pessoas que fazem crescer a multidão por onde quer que passem.

Os nomes divertidos também são uma história à parte: Eu só se vou se você não só se fico, bloco do Carro Quebrado, Tiquim do Botequim, Job da Madrugada, Siri na Lata, Bloco do Arnesto… são só alguns dos que já circularam pela cidade nos últimos dias. Mas o carnaval de rua mais conhecido e apreciado pelo aracajuanos é mesmo o do Rasgadinho.

rasgadinho

Bloco Rasgadinho mantém vivo o carnaval de rua de Aracaju

O bloco tem mais de 50 anos de existência e sempre foi tradicional por arrastar o público de bairros próximos ao centro da cidade. Atualmente, além do cortejo pelas ruas, o Rasgadinho também promove eventos e shows. Para 2016, serão montados cinco palcos: o palco principal, com shows de grandes artistas nacionais, o palco Aldeia Global, que vai apresentar Dj’s e bandas com estilos variados, o Palco Samba, MPB e Chorinho, mesclando artistas destes estilos musicais, o Palco Frevo e Folia apenas com orquestras, e um Palco do Forró, com bandas locais mostrando o porque do nosso estado ser conhecido como “País do Forró”.

Mas se você quer vir pra Aracaju e descansar, esquecer um pouco do carnaval e curtir sombra e água fresca, não se preocupe! Esta concentração carnavalesca está próxima ao centro da cidade. Para os hóspedes do Celi Hotel, a tranquilidade está garantida. Aproveite para circular pela Atalaia, conhecer os parques da cidade, a Orla Por do Sol, os museus e todas aquelas sugestões dos nossos roteiros. Nossa cidade tem muito para te oferecer.

piscina 2

No Celi Hotel, a tranquilidade é a principal companhia de quem chega buscando sossego

Se tiver mais alguma sugestão de informações que deseja ver aqui em nosso blog, basta fazer seu comentário. Ah, e se ainda não fez sua reserva para o carnaval, corre no site do Celi Hotel e confere nossa disponibilidade. Afinal, seja para descansar ou para curtir a folia, nós temos a melhor opção de hospedagem para você!

Ah, vamos colocar a programação do Rasgadinho aqui embaixo, vai que você mude de opinião… 😉

> SEXTA-FEIRA – 05/02

– PALCO CORAÇÃO DA CIDADE
18h – Orquestra Cajuína
19h30 – Banda Aruana
21h30 – Arimatéia e Orquestra
0h – Naurêa
2h – Cidade Negra

– PALCO ALDEIA GLOBAL
17h – Ibura
19h – Chico Corrêa
21h – Seu Pereira e Coletivo 401
23h – Preta Gil
1h – DJ Patrick Tor4

– PALCO SAMBA, CHORINHO E MPB
18h – Silvina e o Boêmios Nota 10
20h – Ronise Ramos
22h – Samba de Moça Só
0h – Samba de Brincadeira (Isaac Borges)

– PALCO DO FORRÓ
18h – Anderson do Acordeon
19h30 – Trio do Forró de Mala e Cuia
21h30 – Trio Glauber do Acordeon
0h – Trio Robson Rojão

– PALCO FREVO E FOLIA
18h – Orquestra Sassaricando
20h – Orquestra Indomada
22h – Orquestra Cajuína

> SÁBADO – 06/02

– PALCO CORAÇÃO DA CIDADE
18h – Orquestra Geração do Frevo
19h30 – Big Banda Show
21h30 – Orquestra Topázio
0h – Mart’Nália
2h – Zeca Baleiro

– PALCO ALDEIA GLOBAL
16h – Bailinho Infantil
19h – Toco y me Voy
21h – Mestre Madruguinha
23h – Artista Nacional (a definir)
1h – Sargento Pimenta

– PALCO SAMBA, CHORINHO E MPB
14h – Samba de Salto
18h – Grupo Brauna e Raquel Delmondes
20h – Fernando Crateus
22h – Grupo Som di Preto
0h – Matheus e Grupo Acalanto

– PALCO DO FORRÓ
18h – Gilson do Acordeon
19h30 – Trio Cassiano do Forró
21h30 – Trio Pau de Arara
0h – Trio Três Moleques
2h – Trio Pavio do Forró

– PALCO FREVO E FOLIA
18h – Orquestra Cajuína
20h – Orquestra Sassaricando
2h – Orquestra Indomada

– CORTEJO
14h30 – Patusco
Orquestra Rasgadinho
Orquestra Frevo e Folia
Orquestra Frevo Temperado

> DOMINGO – 07/02

– PALCO CORAÇÃO DA CIDADE
18h – Orquestra de Medeiros
19h30 – Arimatéia e Orquestra
21h30 – Los Guaranis
0h – Patusco
2h – Elba Ramalho

– PALCO ALDEIA GLOBAL
16h – Bailinho Infantil
19h – Baile Global Beats com os DJs Rafa Aragão/Kaska e convidados
21h – Mauro Telefunk Soul
23h – Batalhão Curupira
1h – DJ Raiz

– PALCO SAMBA, CHORINHO E MPB
14h – Gugu Brasil
18h – Odir Caius
20h – Senna
22h – Grupo Só Coisa Nossa
0h – Grupo Realce

– PALCO DO FORRÓ
18h – Trio Nilson do Forró
19h30 – Trio Lula do Acordeon
21h30 – Trio Itapoã
0h – Casaca de Couro
2h – Trio Robertinho dos 8 Baixos

– PALCO FREVO E FOLIA
18h – Orquestra Indomada
20h – Orquestra Cajuína
2h – Orquestra Sassaricando

– CORTEJO
14h30 – Cordão da Bola Preta
Orquestra Rasgadinho
Orquestra Frevo e Folia
Orquestra Frevo Temperado

> SEGUNDA-FEIRA – 08/02

– PALCO CORAÇÃO DA CIDADE
18h – Tom Robson e Banda
19h30 – Banda Água de Cheiro
21h30 – Rafael Oliveira
0h – Spok Frevo de Recife
2h – Sambô

– PALCO ALDEIA GLOBAL
16h – Bailinho Infantil
19h – Sandy Alê
21h – Coutto Orchestra
23h – Ifá Afrobeat
1h – Movimenta Soundsystem

– PALCO SAMBA, CHORINHO E MPB
14h – Ases do Samba
18h – Grupo Renovação do Choro
20h – Gladston Rosa
22h – Tom Robson
0h – Isaac Borges

– PALCO DO FORRÓ
18h – Bob Lélis e Forró Gozado
19h30 – Trio Forró Pé Quente
21h30 – Trio Baião da Penha
0h – Trio Mimi do Acordeon
2h – Trio Jaçanã

– PALCO FREVO E FOLIA
18h – Orquestra Cajuína
20h – Orquestra Sassaricando
2h – Orquestra Indomada

– CORTEJO
14h30 – Karla Isabella
Orquestra Rasgadinho
Orquestra Frevo e Folia
Orquestra Frevo Temperado

> TERÇA-FEIRA – 09/02

– PALCO CORAÇÃO DA CIDADE
16h – Matinê – Karla Isabella
18h – Orquestra Cajuína
19h30 – Orquestra Coração do Frevo
21h30 – Los Guaranis
0h – Digo Nogueira
2h – Monobloco

– PALCO ALDEIA GLOBAL
16h – Bailinho Infantil
19h – Elvis Boa Morte
21h – Silvério Pessoa (PE) com participação de Naurêa
23h – Attooxxa
1h –DJ Kaska

– PALCO SAMBA, CHORINHO E MPB
14h – Rafael Oliveira
18h – Jr do Cavaco e Cia do Choro
20h – Jiló
22h – Samba de Moça Só
0h – Mania de Ser

– PALCO DO FORRÓ
18h – Trio Voz de Ouro
19h30 – Trio Aragão do Nordeste
21h30 – Trio Café Suado
2h – Trio Rala Coxa

– PALCO FREVO E FOLIA
18h – Orquestra Cajuína
20h – Orquestra Sassaricando
2h – Orquestra Indomada

– CORTEJO
14h30 – Patusco e Karla Isabella
Orquestra Rasgadinho
Orquestra Frevo e Folia
Orquestra Frevo Temperado

Foto: Acervo Rasgadinho (site F5 News)

Programação divulgada pela assessoria do bloco Rasgadinho (site F5 News)

Atalaia: um passeio além da Orla

Olá pessoal!

Como prometido, estamos de volta! E iniciando uma série de postagens sobre vários bairros de Aracaju. Para quem gostou dos posts com roteiros em Sergipe, com certeza, estas informações funcionaram como complemento para que você possa montar o seu próprio roteiro! 🙂

– E vocês vão falar sobre toooooodos os bairros?

Não. Apenas alguns deles. Nosso critério, foi buscar por lugares que tenham uma história bacana, que possa despertar a atenção de turistas e que tenha variados tipos de atrações para que você possa conhecer um pouco mais da cidade, além dos pontos turísticos tradicionais. Apesar disso, o primeiro bairro sobre o qual vamos falar é um dos bairros mais turísticos de Aracaju.

– Mas você não disse que é para ir além dos pontos turísticos?

E iremos! Muita gente que visita Aracaju e fica hospedado em frente à Orla de Atalaia, como é o caso dos nossos hóspedes do Celi Hotel. Por vezes, só conhece as atrações da Orla. Não que elas sejam poucas – muito pelo contrário (clique aqui para ver nosso post sobre os roteiros e saiba mais) – mas existe muito mais informação dentro deste bairro que sempre se destacou pela praia. Vamos começar com um pouco de história?

De vila de pescadores à Orla mais bonita do Brasil!

8_Avenida(Passarela)_TukaVelloz

Praia de Atalaia na década de 70 mostra o povoamento pelos banhistas locais (Foto: Infonet)

O bairro surgiu de forma modesta, como uma colônia de pescadores, e não tinha o mínimo de infraestrutura até meados da década de 1930, quando o local começou a sofrer intervenções com foco no aproveitamento da orla para banhistas. A urbanização inicial do bairro deu-se com foco nas pessoas que utilizavam o local para veraneio. Mas o bairro só passou a ser realmente mais frequentado em 1937 após a construção da ponte sobre o Rio Poxim, que ligou a “cidade” ao que antes era considerado um povoado. Já nos anos de 1950, o desenvolvimento da Atalaia tornou-se mais intenso com a construção da ponto Juscelino Kubitschek, atualmente conhecida como a “ponte velha” da Atalaia. Logo após, a inauguração do Aeroporto Santa Maria fez o bairro ganhar ainda mais destaque e ser, finalmente, incorporado à cidade de Aracaju.

Com o passar dos anos, a praia de Atalaia ganhou mais infraestrutura e passou a receber os banhistas e turistas de forma mais acentuada. Foi em 2004, com a urbanização da Orla de Atalaia que o bairro ganhou tamanho destaque. O local despontou como o principal ponto turístico da cidade e o bairro passou a receber diversos empreendimentos hoteleiros valorizando ainda mais a região. Hoje, a Orla da praia de Atalaia é uma das mais conhecidas do país e considerada a mais bonita do Brasil.

Descobrindo a Atalaia

O bairro de Atalaia é massivamente frequentado por locais e turistas e a grande concentração de pessoas é na famosa passarela do caranguejo. Mas existem ainda outras opções pelo bairro, e algumas bem diferenciadas. Vá além do que está nos roteiros turísticos para explorar a cidade e sentir-se um autêntico aracajuano. Vamos começar?

Restaurante Maramar: O Restaurante Maramar, situado dentro do Celi Hotel, é uma das opções gastronômicas a serem apreciadas no bairro. O local, sempre muito bem frequentado, serve aos hóspedes e passantes. Tem um excelente café da manhã com música ao vivo, que é o grande destaque do local, e funciona todos os dias da semana com menu à la carte. Lugar ideal para um almoço em família ou um jantar à dois. Para nossos hóspedes, é de casa; mas quem não é hóspede, também será sempre muito bem-vindo!

CH130130-028

O Escondidinho ao Velho Chico é uma das opções de pratos regionais do cardápio Maramar, que possui um menu diversificado

Variedade gastronômica: por conta do grande fluxo turístico, o bairro se desenvolveu muito, principalmente, no que se refere à gastronomia. Uma grande número de bares e restaurantes, também podem ser encontrados fora da Orla de atalaia. Quer comer uma tradicional costela no bafo? Matar a saudade de um sushi fresco? Experimentar um kebab turco? Tudo isso e muito mais você encontra no bairro. Transitar por ruas que fiquem próximas à orla é um modo de descobrir alguns desses lugares.

Caranguejo na praia: quer se sentir um autêntico sergipano, aproveite um belo fim de semana de sol para sentar numa barraca à beira da praia e apreciando o sabor do tradicional caranguejo sergipano. É comum consumir a iguaria em restaurantes, principalmente, na passarela que leva o nome do bichinho; mas sentado na areia à beira mar, o sabor é ainda melhor.

Esportes radicais: se você acha que em Aracaju não tem nada de diferente para fazer, que tal alugar um equipamento e praticar kitesurf? O esporte vem ganhando cada dia mais adeptos na cidade e já se tornou comum ver manobras radicais sobre as ondas da Praia de Atalaia. Se tiver interesse, procure uma empresa especializada; tem sempre alguém pela praia. A Aracaju Kitesurf é uma escola de Kite: para quem não pratica o esporte, é uma excelente opção de iniciar. Clique aqui e confira o site dessa galera.

Passeio de bicicleta pela orla: estando em Aracaju, você vai encontrar em diversos pontos da cidade a Caju Bike: bicicletas que estão disponíveis para serem utilizadas por tempo determinado e que são a melhor opção para quem quer percorrer toda a orla com rapidez e ainda sentir a brisa bater no rosto. Por isso, recomendamos este passeio no bairro da Atalaia; apesar de que você pode percorrer com elas boa parte da cidade. O acesso às bicicletas é muito fácil: baixe o aplicativo em seu smartfone (ou faça uma ligação telefônica para o número indicado no totem) e libere uma bike por até 24h ao custo de apenas R$ 5,00. Parte do bairro de Atalaia possui ciclovia, mesmo fora da Orla; isso garante também sua segurança durante o passeio.

caju-bike-atalaia-aracaju

Caju bike proporciona um passeio para explorar o bairro (Foto: Miss Check-in)

Jazz na calçada: o bairro de Atalaia possui alguns bares com música ao vivo e isso é muito comum todos os dias da semana, principalmente na Orla. Mas para quem gosta de um som alternativo, o Jazz na Calçada é um encontro de músicos sergipanos que se utilizam do estilo para fazer música em plena rua. O evento não tem período definido para acontecer pois é realizado de forma independente mas há uma divulgação sempre que o evento acontece. A proposta é fazer o som para que qualquer um possa ouvir e participar. Informe-se com o pessoal da cidade ou pela internet quando será o próximo evento. Quem sabe não é justamente no dia em que você estará em Aracaju?

Museu do Mangue: situado numa parte do bairro que foi recentemente urbanizada e que não é muito conhecida, o Museu do Mangue está localizado numa área de preservação ambiental, conhecida como maré do Apicum, que possui uma bela vista para o Rio Sergipe. Na realidade, ele não é apenas um prédio, mas um complexo que inclui um espaço para exposição de peças, áreas de lazer para a comunidade, um piér, centro de informações, entre outros. Atualmente, a área encontra-se interditado para a implantação de melhorias pela prefeitura de Aracaju. Mas, quando estiver aqui, procure saber se já está funcionando. vale a pena a visita.

– Só isso? Já acabou?

De fato, não acabou. Este post pode ser atualizado a qualquer momento. Nossa intenção é mostrar opções fora dos roteiros turísticos tradicionais para que você conheça a cidade de modo regional, tal como – ou até mais do que – muitos aracajuanos e aqueles que vivem por aqui.

Então, se aparecer uma nova opção de local ou atividade que possamos incluir nesta lista, ela será atualizada. Ah, e você também pode contribuir. É só enviar sua sugestão através dos nossos comentários. Queremos interagir com você para fazer deste blog um espaço democrático e ainda mais interessante para você!

Até a próxima!

Obs.: As informações da parte histórica do texto tem como referência o artigo Memorial da Atalaia, no site www.primeiramao.blog.br

Fotos: site Infonet e blog Miss Check-in

Novidade à vista!

E quem não gosta de novidades, não é mesmo?!

Olá pessoal!

Finalizamos na semana passada nossas postagens sobre os roteiros para quem vem à Sergipe, e apresentamos sugestões de lugares e passeios que podem ser realizados  caso você fique por aqui durante um bom tempo ou mesmo que passe um dia em Aracaju. Se você não acompanhou, dá uma olhadinha nos posts anteriores. Com certeza, vai te despertar o desejo de conhecer tudo isso de perto e vivenciar a experiência de sergipanidade que buscamos destacar em cada texto. Sem dúvida, o melhor de ser turista aqui é poder sentir-se em casa!

É bom lembrar que, tal como dissemos nas postagens, tem muitas outras coisas e lugares bacanas por aqui que não tivemos espaço ou tempo (dentro dos prazos estabelecidos nos roteiros) para falar sobre eles. Priorizamos alguns locais que são mais conhecidos ou procurados por quem vem pela primeira vez ou quer conhecer os principais pontos turísticos. Mas vamos continuar postando informações sobre muito do que nem sempre é tão turístico, porém é muito sergipano.

Por isso, e para entender melhor a capital da qualidade de vida, vamos fazer uma nova série de posts para mostrar os bairros mais conhecidos de Aracaju e o que eles reúnem de mais legal . Assim, você vai se localizar facilmente quando estiver por aqui e ainda aproveitar o que cada cantinho da cidade oferece de melhor: praias, monumentos, bares ou mesmo um mirante para apreciar a vista do lugar. Afinal, esta é uma cidade para se olhar de perto e perceber que tudo o que se precisa pra viver feliz você encontrar por aqui.

A partir da próxima semana, Atalaia, 13 de Julho, Mosqueiro, Farolândia, Santo Antônio… Não serão apenas nomes. Você reconhecerá em cada um deles a identidade de lugares que fazem parte da vida do aracajuano. Você vai conhecer um pouco da história de cada lugar, mas principalmente descobrir o que há de bom para fazer na região. E, assim, teremos a oportunidade de falar sobre mais alguns lugares que ficaram fora dos nossos roteiros, mas que você pode incluir no seu!

Hospede-se no Celi Hotel com tarifas promocionais

Hospede-se no Celi Hotel com tarifas promocionais

Ah, e se você já decidiu por Sergipe como seu próximo destino turístico, a dica do momento é aproveitar as tarifas promocionais do Celi Hotel Aracaju. Diárias a partir de R$ 199,00*! Mas isso não vai durar muito, não! Muita gente já aproveitou durante o mês de Agosto e prolongou as suas férias em Aracaju com estas tarifas mais que especiais. Venha você também aproveitar todo o conforto de estar muito bem hospedado em um belíssimo hotel na Orla de Atalaia por um preço de diária em pousada! Este, sim, é um excelente motivo para vir à Aracaju! Clique aqui, acesse nosso site e faça sua reserva. Depois, é só escolher o seu roteiro para descobrir as belezas de Sergipe!

Até breve!

(As tarifas promocionais estão sujeitas à mudança sem prévio aviso)

De passagem: roteiro para aproveitar 1 dia em Aracaju!

Olá!

Chegamos ao nosso último roteiro. E, apesar de não parecer, não é assim tão fácil fazer um roteiro de um dia em Aracaju. Tem tantas coisas para serem vistas e apreciadas… como fazer tudo em apenas um único dia? Bom, de fato, não dá pra fazer TUDO mas separamos aqui um roteiro com o que você não pode deixar de fazer durante esta sua passagem pela capital sergipana. E você pode até pensar: quem é que vai para Aracaju passar apenas um dia? Mas é muito comum, inclusive aqui no Celi Hotel, encontrarmos pessoas que vem para a cidade à trabalho e ficam por mais um dia ou que saem de um estado para o outro, cruzando Sergipe, e resolvem para um dia em Aracaju para conhecer a cidade e descansar um pouco da viagem. Enfim, independente do motivo, o importante é aproveitar bem este dia e conhecer o que for possível. Você vai ficar com gostinho de “quero mais!”, mas isso é bom! Quem sabe você não volta em breve para fazer um roteiro de 10 dias?! 😉

Na verdade, o roteiro de um dia precisa ser pré-definido de acordo com o horário de chegada e partida. Então, vamos te dar duas sugestões: a primeira é um “roteiro diurno”, caso seja possível passar um dia inteiro na cidade. A segunda é um “roteiro noturno”, para quem chegou pelo meio do dia e vai pernoitar na cidade. Então, vamos lá?!

A orla de Atalaia possui diversas opções de lazer para turistas de todas as idades e com os mais variados estilos

A orla de Atalaia possui diversas opções de lazer para turistas de todas as idades e com os mais variados estilos

Aracaju em 1 dia! (Roteiro Diurno) – Se você amanheceu na capital da qualidade de vida e só vai ficar na cidade até o final do dia, prepare-se: você tem muito o que fazer neste dia. Basta ter disposição. Então, comece indo ao mercado e conhecendo um pouco do artesanato e da culinária local. Aproveite também para fazer as comprinhas com lembranças de Aracaju! Depois, siga em direção à Praça General Valadão, onde fica o Centro Cultural de Aracaju e, em frente, o Memorial Zé Peixe. Se você for rapidinho, pode conhecer os dois espaços que tratam de temas diferentes, mas ligados à cultura da cidade. Caso contrário, pode visitar apenas o Memorial Zé Peixe e seguir para o Museu Palácio Olímpio Campos. Lá você vai conhecer muito da história de todo o estado e aproveitar para conhecer a Praça Olímpio Campos, onde fica a Catedral Metropolitana. Voltando para a Av. Ivo do Prado, poucos metros mais à frente, você vai conhecer o Museu da Gente Sergipana: um centro interativo de cultura e lazer, indispensável para quem quer desvendar as referências que formam o povo sergipano e o fazem ser conhecido pela sua alegria e receptividade. Lá mesmo, você pode almoçar e, assim, poupar um pouco de tempo para aproveitar em outros locais. Se estiver de carro, nossa sugestão é que você siga até a Orla de Atalaia, mas pelo caminho mais longo. Programe o GPS para que possa conhecer alguns pontos turísticos como o Calçadão da 13 de Julho, a Arena Batistão (Estádio de Futebol Lourival Batista), o Parque da Sementeira, o Parque dos Cajueiros e o antigo farol de Aracaju. Você pode fazer este percurso tranquilamente em aproximadamente 2h, parando para fazer fotos em cada um dos locais. Este tempo, pode ser maior ou menor de acordo com o tempo que você parar em cada local, pois o trânsito não costuma ser muito complicado durante o dia, antes das 18h. E o ideal é que você chegue à Orla de Atalaia antes desses horário, assim vai poder visitar com calma o Oceanário, conhecer o Centro de Arte e Cultura J. Inácio e a Feira do Turista, onde você também pode fazer suas últimas comprinhas. Aproveite pra jantar na Feira Aratip ou em uma das barraquinhas de tapioca espalhadas ao longo da Orla. Depois disso, é voltar pra casa certo de que precisa voltar pra Aracaju. Afinal, um dia é muito pouco para aproveitar toda a beleza do lugar.

O caranguejo gigante atrai centenas de pessoas para fotos no local e já se tornou símbolo de Aracaju

O caranguejo gigante atrai centenas de pessoas para fotos no local e já se tornou símbolo de Aracaju

Aracaju em 1 noite! (Roteiro noturno) – Não é que você vai ficar acordado toda a madrugada perambulando pelas ruas da cidade, mas se você vai apenas pernoitar em Aracaju, tem alguns lugares que você pode visitar para aproveitar o curto espaço de tempo nas terras do cacique Serigy! Se você chegar na cidade do meio para o final da tarde, a sugestão é ficar pela Orla de Atalaia e visitar o Oceanário mantido pelo Projeto Tamar. Depois, vá até a Feira do Turista e aproveite para andar pela orla fotografando monumentos, inclusive, o caranguejo gigante que fica na entrada da passarela que leva o nome do bicho, que também é uma das iguarias mais consumidas em Aracaju. A Passarela do Caranguejo é o grande point da cidade: um lugar repleto de bares e restaurantes, valorizando a culinária regional e a música local. Durante o dia seguinte, se não tiver muito tempo para curtir, acorde cedo e aproveite a praia. A água quentinha do mar é revigorante! Se tiver tempo de ir a apenas mais um lugar, vá ao centro e conheça o mercado municipal: artesanato, culinária, música… lá você vai se sentir um autêntico aracajuano! Se depois de sair do mercado ainda tiver meia horinha antes de pegar as malas e ir embora, passa na colina do Santo Antônio, que fica pertinho do mercado e aproveita fazer fazer uma foto linda mostrando parte da beleza da nossa cidade. Esse roteiro relâmpago é só pra não dizer que saiu de Aracaju sem  conhecer nada do local e para dar ainda mais vontade de voltar na próxima oportunidade!

O Mercado Municipal reúne culinária, artesanato e música sergipana em um único local

O Mercado Municipal reúne culinária, artesanato e música sergipana em um único local

Pois é, pessoal. Depois de tantas opções de roteiros, com tudo prontinho para você aproveitar a cidade, só falta você decidir a data em que virá para Aracaju. Aproveite as tarifas especiais do Celi Hotel Aracaju para o mês de Agosto e venha logo. Apesar de tantos roteiros, ainda existem muitas coisas por aqui que não colocamos nestas postagens e que vamos continuar divulgando, para você saber mais sobre Sergipe e decidir conhecer nosso estado. Estamos esperando você de braços abertos e muito em breve!

Até lá!

Fotos: Sergipe Trade Tour e Infonet.

Pra ficar com vontade: roteiro de 3 dias para conhecer Aracaju!

Mais uma semana, mais um roteiro!

E este é um daqueles que deixa a gente com “água na boca”; afinal, 3 dias é só pra conhecer o básico, né?! Nossa sugestão é que o roteiro nestes três dias se concentre em Aracaju, mas nós sabemos que é muito difícil vir até aqui e não passar um dia em Xingó, ou mesmo conhecer a Serra de Itabaiana e o Parque dos Falcões. É como sempre deixamos claro: você pode aproveitar todos estes roteiros sugeridos e fazer um novo: o seu roteiro particular. Nossa intenção é dar as dicas e fazer você descobrir coisas e lugares que talvez não conheça ou organizar melhor seu tempo para otimizar a viagem e aproveitar para ver muito mais. Então, vamos para nosso penúltimo roteiro? Seja durante a semana ou num fim de semana prolongado, estas dicas vão te deixar com ainda mais vontade de vir conhecer Aracaju! Vamos lá!

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

1º dia: Pelas ruas de Aracaju – os hóspedes do Celi Hotel e grande parte dos turistas que vem à Aracaju ficam hospedados na Orla de Atalaia. Este é nosso ponto turístico mais conhecido e onde estão situadas as principais hospedagens da cidade. E, como é comum muitos turistas virem à Aracaju em finais de semana com feriados prolongados, nosso roteiro de hoje vem com esta proposta: um fim de semana tranquilo em Aracaju. Então, vamos começar de forma bem tranquila visitando o Parque José Rollemberg Leite, mais conhecido como Parque da Cidade. Situado na zona norte da cidade, o parque abriga um mini zoológico com um lago e um teleférico que é a grande atração do local. No passeio, contemple a bela vista aérea do parque e de todo o seu entorno. Já com os pés no chão, visite  as espécies animais presentes no local, faça uma caminhada para desvendar todas as áreas do parque ou mesmo um pique-nique com a família. Como o parque funciona diariamente, esta é uma boa opção para qualquer dia. Saindo de lá, não deixe de dar uma passadinha na Colina do Santo Antônio e conhecer a igrejinha que fica no alto da colina. O mirante permite que se tenha uma bela visão de toda a zona norte da cidade. Depois disso, que tal ir almoçar pelo centro histórico? Já falamos do marcado Thales Ferraz, que possui restaurantes com opções de comida caseira e regional. Mas, se preferir um lugar diferente e bem pertinho do mercado mas longe de muito tumulto, a Orlinha do Bairro Industrial é uma boa opção. O calçadão foi construído e urbanizado em conjunto com a ponte Construtor João Alves, também conhecida como Ponte Aracaju/Barra, que liga a capital ao município de Barra dos Coqueiros. Com isto, a região ganhou maior valorização e um atrativo turístico, além da melhoria na infraestrutura dos restaurantes, que já atraíam os locais e agora também recebe turistas. Além da tranquilidade do lugar, a vista do rio com certeza vai ser um diferencial para a sua refeição ser ainda melhor. O local também é muito agradável para uma caminhada e fica há alguns metros do Mercado Thales Ferraz. Então, se preferir almoçar pela Orlinha, você pode seguir depois em direção ao mercado e conhecer as opções de lembrancinhas, peças de artesanato, esculturas em cerâmica e muito mais! Ouvir um chorinho ou uma roda de samba pelos corredores é sempre muito possível. Se quiser experimentar um pouco da gastronomia popular, visite o Espaço do Beiju, dentro do próprio mercado. Lá você vai comprar a iguaria ou degustá-la das mais variadas formas e produtos que são tradicionais em todo o estado. Visitar o mercado normalmente faz o turista perder a noção do tempo, mas lembre-se que você tem apenas 3 dias para explorar a cidade. Então, se apresse e conheça o Espaço Zé Peixe e o Centro Cultural de Aracaju, que ficam bem próximos do mercado. Mas lembre-se de confirmar os horários de funcionamento. O Centro Cultural, por exemplo, não abre aos finais de semana; além disso, alguns destes espaços podem fechar em dias de feriados nacionais. Fique atento! Cansou? São muitas opções para um único dia, mas vale a pena tentar cumprir todo o roteiro. À noite, você descansa para recobrar as forças para o dia seguinte! Para os hóspedes do Celi Hotel, um relax à beira da piscina cai bem! 😉

O entardecer na Orla Por do Sol ao som da sanfone de Valtinho do Acordeon é imperdível

O entardecer na Orla Por do Sol ao som da sanfone de Valtinho do Acordeon é imperdível

2º dia: Aracaju à beira mar – que tal começar o segundo dia na praia? Passeando pela Orla de Atalaia, você vai encontrar diversas opções de lazer para todas as idades: o Centro de Arte e Cultura J. Inácio, o Oceanário de Aracaju, a Feira do Turista, os lagos, o Maravilhoso Mundo da Criança, as quadras de esportes (tênis, vôlei, basquete…), pista de skate, kartódromo… tudo isso e muito mais ao longo dos 6Km bem urbanizados que beiram o mar da Praia de Atalaia. Se quiser fazer compras ou conhecer todos estes locais, talvez você tenha que deixar um dia inteirinho só para isso. Mas, otimizando seu tempo, dá pra conhecer estes lugares em um turno, pela manhã e durante à tarde, depois de almoçar no Celi Hotel, seguir em direção à Orla Pôr do Sol para um passeio de barco para a Crôa do Goré e a Ilha dos Namorados. Este sim é um passeio para ser feito aos sábados, afinal, este é o dia em que a Orla do rio Vaza-Barris fica mais movimentada e quando o por do sol recebe trilha sonora: um sanfoneiro toca ao entardecer enquanto você pode degustar a beleza do sol sumindo por detrás dos coqueiros à outra margem do rio. Se descrever a cena já é bonito, ver in loco é imperdível! Uma feirinha é montada no local e atrações regionais fazem a festa de quem vê a noite adentrar mas não se deixa abater pelo cansaço do dia. Então, este programa é obrigatório, qualquer que seja o seu roteiro. Se quiser saber mais sobre o passeio à Crôa e a Ilha dos Namorados, confira o nosso roteiro de 10 dias e veja 2º dia: Aracaju para relaxar

O memorial Jenner Augusto fica dentro do restaurante Cacique Chá, na praça Olímpio Campos

O memorial Jenner Augusto fica dentro do restaurante Cacique Chá, na praça Olímpio Campos

3º dia: vivendo Aracaju – só mais um dia para deixar a cidade e você ainda tem tanta coisa pra ver. É comum o pessoal voltar pra algum lugar que foi e gostou, ou que estava fechado e não foi possível visitar. Independente disso, aproveite para conhecer mais alguns locais que fazem parte da cidade para sentir-se um verdadeiro aracajuano. Pela manhã, uma caminhada pelo Parque Augusto Franco, também conhecido como Parque da Sementeira, vai te encher de energia para aproveitar o dia. Se estiver em família, as crianças vão gostar de visitar o Parque Governador Antônio Carlos Valadores, chamado de Parque dos Cajueiros: brinquedos lúdicos, quadras esportivas, ciclovia e muito mais, à margem do rio Poxim, com um deck que é comumente utilizado para pescarias. Próximo ao parque, no bairro Farolândia, o antigo farol de Aracaju é uma bela atração que foi recentemente restaurado. Não falamos dele em nenhum dos roteiros anteriores mas já fizemos uma postagem exclusiva sobre este farol. É só clicar aqui para conferir. Depois disso, que tal voltar para o centro da cidade e conhecer o que não deu tempo para ver no primeiro dia? Descendo pela beira mar, você passa pelo calçadão da 13 de Julho: um local muito frequentado pelos esportistas amadores que utilizam-se do belo espaço urbanizado para fazer caminhadas, corridas, atividades aeróbicas ou mesmo conferir algum dos eventos que costumam ser feitos no local. Um mirante no início do calçadão permite oferece uma visa de 360° do entorno do local: de um lado o rio com o mar e do outro toda a cidade. Indo para o centro histórico você ainda vai conhecer lugares muito interessantes. O Museu Palácio Olímpio Campos na Praça Fausto Cardoso possui um acervo belíssimo e centenário da história de Sergipe. A Ponte do Imperador, um atracadouro que fica em frente à praça te proporciona belas fotos tal como se estivesse dentro do rio.

O vocabulário autêntico do povo sergipano também é pauta no Museu da gente

O vocabulário autêntico do povo sergipano também é pauta no Museu da gente

Mais à frente o Museu da Gente Sergipana é parada obrigatória para quem deseja conhecer a rica cultura do nosso estado de forma moderna e interativa. O museu, que já ganhou alguns prêmios em seus quatro anos de existência, é o xodó dos sergipanos e dos turistas que se encantam com o local. Caso esteja próximo do horário do almoço e você queira fazer a refeição antes de começar o passeio, o restaurante Cacique Chá fica na praça Olímpio Campos, onde você também pode visitar a catedral metropolitana e uma feirinha de artesanatos, e é um antigo restaurante que foi recentemente reformado e atualmente é mantido pelo SENAC. Lá, além da refeição, você vai visualizar uma das obras de arte mais famosas do artista plástico baiano, naturalizado sergipano, Jenner Augusto: um painel pintado diretamente na parede do restaurante que retrata cenas indígenas, baseada na bravura dos índios brasileiros. O local, após a reforma, também possui um espaço dedicado ao artista plástico Jenner Augusto: o memorial que leva o nome do artista tem itens do acervo pessoal, fotos, livros, entre outros diversos. Daí, você pode seguir para a Praça Fausto Cardoso e para o Museu-Palácio Olímpio Campos, que fica logo à frente. Além do museu, que era o antigo palácio do governo do estado, coretos, estátuas e um paisagismo que inclui palmeiras centenárias dão um aspecto retrô ao local. À frente da praça, não deixe de fazer uma foto da Ponte do Imperador, e siga para o Museu da Gente Sergipana. Primeiro centro interativo do nordeste, este museu apresenta a diversidade do estado em sua fauna e flora, cultura, artesanato, arquitetura e até no vocabulário. Você vai descobrir o que é brefaia, puba e atufaiar! Um passeio divertido, cultural e que vai fazer você conhecer mais todo o estado e sentir-se em casa!

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Depois de tudo isso em tão pouco tempo, só resta arrumar as bagagens para voltar pra casa e torcer para que o próximo feriadão chegue logo para voltar à Aracaju e conhecer outros lugares, além das cidades do interior de Sergipe e das praias que já comentamos aqui. Existem muitas outras que não entraram em nenhum desses roteiros, mas muita coisa você vai descobrir quando chegar a um determinado lugar, porque ele te leva a outro, e a outro depois dele… e assim você vai ter a certeza de que, por mais que a gente defina um roteiro, isto é só uma parte de tudo o que você vai descobrir por aqui. Depois de vir a primeira vez, voltar não é apenas uma opção: é um desejo! Então, para aproveitar o primeiro feriadão deste segundo semestre, clique aqui e confira as tarifas para passar o 7 de setembro no Celi Hotel Aracaju. O período ideal para vir a Aracaju e fazer este roteiro. Próxima semana, vamos postar nosso último roteiro: um dia em Aracaju, para aqueles que vem à trabalho e tem um dia de folga, ou vão pernoitar na cidade, ou estão de passagem indo visitar alguém em outro lugar e resolveu parar aqui para saber porque falam tanto da cidade. Tem muita gente por aqui que conheceu a cidade assim. Veio uma vez e não quis mais sair. Você pode ser o próximo! 😀

Até breve!

Fotos: Infonet, A8, Sergipe Trade Tour e acervo pessoal

Descubra Sergipe: roteiro de 10 dias ou mais para conhecer as belezas do nosso estado

Olá pessoal!

Como prometido, começamos hoje a série com roteiros para você aproveitar ao máximo sua viagem para Sergipe. A nossa intenção não é montar um roteiro fixo para ser seguido. Tudo o que você pretende fazer vai depender do período que estará por aqui, dos horários de funcionamento de alguns locais, do meio de transporte que será utilizado, e, principalmente, da sua disposição para otimizar seu tempo e fazer tudo o que estamos sugerindo. Este é o maior roteiro de todos que montamos; então, lembre-se que mesmo que você passe mais de 10 dias aqui em Sergipe, pode querer repetir algum passeio ou, caso não seja sua primeira vinda, visitar lugares menos turísticos, que não estão neste roteiro, e se tornar um pouco mais “sergipano”.

Então, vamos começar?

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

1º Dia: Aracaju turística – como este é um roteiro longo, damos a oportunidade de dividir o passeio em Aracaju em mais de um dia. Então, neste primeiro dia na capital sergipana, acorde cedo e, depois de um café da manhã reforçado no Celi Hotel, aproveite para visitar o centro histórico. Conheça a catedral metropolitana, na praça Olímpio Campos, e a feirinha de artesanato. Uma outra opção para quem gosta dos trabalhos manuais é visitar o prédio ao lado que abriga a Rua do Turista / Centro de Turismo: uma estrutura de mais de 100 anos criada para ser um colégio mas que, atualmente, abriga dezenas de trabalhos de artesanatos tradicionais produzidos no estado. Saindo de lá, na Praça Fausto Cardoso (que fica em frente à Praça Olímpio Campos), você vai ver uma alameda com palmeiras do tempo do império e, mais à frente, a “Ponte do Imperador”, um atracadouro que avança pelo Rio Sergipe, que foi construído na época em que D. Pedro veio visitar a antiga colônia. Na praça, um ponto de parada obrigatório é o Museu-Palácio Olímpio Campos: um lugar para conhecer e se encontrar com o passado do nosso estado. Procure informações sobre a visita guiada para aproveitar mais o local. Seguindo pela Av. Ivo do Prado, poucos metros de distância dali, você vai encontrar o Museu da Gente Sergipana. A interatividade é a grande marca deste espaço que fala sobre as belezas do estado e a cultura do nosso povo. Não deixe de visitar! Se, a esta altura, você já estiver com fome, você pode ficar e almoçar no próprio Café do Museu ou ir em direção ao mercado central e comer num dos restaurantes locais com vista para o rio. Independente da sua opção, após o almoço, vale a pena passear tranquilamente pelo mercado de artesanato e comprar algumas das lembrancinhas que vão encantar os parentes e amigos no seu retorno à casa. Feitas as comprinhas, volte margeando o rio e você vai encontrar dois dos mais novos espaços de cultura da cidade: o Espaço Zé Peixe e o Centro Cultural de Aracaju. Aí, fica a sua escolha em qual deles você vai primeiro, mas, se nos permite uma sugestão: visite a Casa de Cultura e conheça as exposições permanentes e diversas informações sobre a cidade.

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

Depois, vá ao Espaço Zé Peixe e conheça mais sobre este homem que se tornou um mito na cidade (já falamos sobre ele aqui), e aproveite para fazer um lanchinho no local, afinal, não dá pra desperdiçar a vista do rio, não é? Apesar de ser um roteiro extenso para um dia, você consegue, de uma única vez, visitar os principais museus da cidade e conhecer os pontos turísticos do centro da cidade. E o melhor é que tudo pode ser feito à pé! A caminhada mais extensa, do Museu da gente Sergipana até o Mercado Thales Ferraz dura em torno de 15 min, caminhando tranquilamente e apreciando a brisa do rio. Se estiver de carro, ao final do dia, ainda sugerimos uma visitinha à colina do Santo Antônio: o bairro onde a cidade foi fundada tem uma bela igrejinha cuja praça se tornou um mirante, onde se avista grande parte da Aracaju antiga e da Barra dos Coqueiros, bem como a ponto que liga os dois municípios. A vista vai te impressionar! Com certeza, depois desse dia intenso, uma boa ducha e uma cama quentinha no Celi Hotel serão a melhor pedida da noite!

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

2º Dia: Aracaju para relaxar – caso você tenha realizado o roteiro do primeiro dia tal como o descrevemos, pode se acordar cansado e pensando em tirar o dia de folga para conhecer a praia. Então, nossa sugestão é que você aproveite para acordar mais tarde, tome o seu café com calma, aproveite o som ao vivo que só o Celi Hotel te oferece, e, se estiver um belo dia de sol, aproveitar a piscina ou ir à praia. Mas, a grande atração do dia será um passeio à Crôa do Goré: um banco de areia que se forma no meio do rio Vaza-Baris.

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

O passeio pode ser feito pela manhã ou à tarde. Aqui, sugerimos que você faça à tarde, para aproveitar o fim de tarde num dos pontos turísticos mais bonitos da cidade: a Orla Por do Sol, de onde saem e para onde voltam o catamarã que leva até a crôa. Aos sábados, às 17h, um sanfoneiro faz a trilha sonora para o entardecer, e uma feirinha de artesanato e comidas típicas é a opção do local para você degustar alguns sabores regionais.

3º dia: aventura na serra – tá bem descansado, não é? Então, que tal um dia de aventura? A Serra de Itabaiana é parque ecológico que abrange quatro municípios, além deste que dá nome ao local. Apesar de ser aberto ao público em geral, o ideal é que você possa agendar sua ida junto a uma empresa que possua instrutores treinados e capazes de te auxiliar durante a subida.

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

O lugar possui dezenas de córregos e cachoeiras, além do famoso Poço das Moças, um escavação rochosa onde desemboca um dos braços de córregos e que faz a alegria daqueles que banham-se no local.Para quem gosta de trilha, a serra é uma ótima opção e reserva uma linda vista para aqueles que concluem o passeio até o ponto mais alto do parque. Lá próximo existe ainda o Parque dos Falcões: um local que transformou-se num instituto de proteção a estes animais, graças à dedicação do seu fundador (que ainda hoje reside no local). Este promete ser um roteiro muito divertido e cheio de emoção! Depois disso, só mesmo voltar para o Celi Hotel e jantar no restaurante Maramar para recompor as energias perdidas ao longo do dia.

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

4º dia: navegando entre as rochas – esse é um dos roteiros mais buscados pelos turistas que vem à Sergipe. O cânion de Xingó fica a pouco mais de 200 Km de Aracaju e por este motivo é um passeio para um dia inteiro, contando o tempo de ida/volta até o município de Canindé, onde se encontram as formações rochosas. Quinto maior cânion navegável do mundo, esta é uma parada obrigatória para quem quer descobrir um lugar como não há outro no país. Para chegar até o local, as melhores opções são: ir de carro ou comprar o pacote completo em uma agência de receptivo, que inclui o transfer, o passeio de catamarã e almoço num dos restaurantes locais. Durante o dia, você vai se deslumbrar com as formações rochosas e as águas claras do Rio São Francisco em sua forma mais bela. Um dos momentos mais esperados é a parada para o banho no meio do “Velho Chico” e um passeio num pequeno barco que te levará para dentro das formações rochosas. Se você for de carro e tiver um dia a mais, experimente ficar hospedado em Canindé e, no dia seguinte, fazer uma trilha pela Rota do Sertão até a grota de Angico, onde foi enterrado o cangaceiro mais famoso do nordeste: Virgulino Ferreira, o Lampião. A Sílvia, do blog Matraqueando, fez um relatório muito bacana sobre sua experiência, confira clicando aqui. Ah, e caso você tenha apenas um dia mesmo, tenha certeza que, conhecer o Cânion de Xingó vai te garantir o momento mais deslumbrante da viagem e fôlego novo para os próximos dias.

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

5º dia: visita ao Patrimônio da Humanidade – em 2010, o complexo que compõe a Praça São Francisco, na cidade de São Cristóvão, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade. A antiga capital sergipana é a quarta cidade mais antiga do país e possui um belíssimo acervo arquitetônico e cultural que vale a pena ser visitado. Há pouco mais de 20 Km de Aracaju, é fácil chegar até lá: de carro, a estrada está sinalizada e tem placas indicativas; de ônibus, você tem a opção de ir pelos intermunicipais ou pelos micro-ônibus de cooperativa de transporte (seja qual for sua opção, a passagem tem um valor bem baratinho!). Seja qual for sua opção, nossa sugestão é que você explore bastante a região andando à pé pelas ruas, conhecendo as pessoas e visitando as igrejas. Em frente à Praça São Francisco, o Museu de Arte Sacra e o Museu Histórico de Sergipe são paradas obrigatórias. Este último foi o primeiro museu da cidade e possui um acervo que reúne peças raras do período imperial no estado. Já o Museu de Arte Sacra é o mais importantes do país: possui aproximadamente 500 peças catalogadas e já teve seu acervo retratado em livro, preciosidades e grande relíquia na história da cultura sergipana. Existe ainda o chamado “Museu dos ex-votos” que reúne peças deixadas por devotos de N. Sr. do Passos, que é o santo mais celebrado no município. Uma enorme festa celebrada sempre no segundo final de semana após a quarta-feira de cinzas, possui mais de 200 anos e atrai milhares de pessoas de todos os lugares do estado. Se você vier à Sergipe neste período, vale a pena conhecer! Além dos museus, São Cristóvão possui ainda diversas igrejas, com arquitetura e histórias peculiares. Mas, lembre-se de checar os valores para entrada (que não costumam ser altos) e os horários de funcionamento: os museus não abrem às segundas! Então, é melhor fazer esse roteiro num outro dia da semana. Ah, se for de carro, além de andar pelas ruas da cidade histórica, você poderá visitar a estátua do Cristo que fica alguns quilômetros próximo à entrada da cidade. Tudo bem, ele não fica sobre a baía de Guanabara e nem é tão alto como o carioca, mas sua inauguração data de 1926, que foi quando se iniciou a construção do Cristo do Rio de Janeiro. O acesso ao local é gratuito e o fim de tarde visto de lá costuma ser muito bonito.

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

6º dia: andando pelas dunas de Tieta – foi logo após a gravação da novela de Tieta, nos anos de 1990 que o pequeno povoado de Mangue Seco ficou nacionalmente conhecido. Apesar de habitar em terras baianas, sua travessia mais comum é feita partindo de Sergipe, mas precisamente de Porto do Cavalo, no município de Estância. Para chegar até o local, é comum ir de carro e fazer a travessia para Mangue Seco em uma pequena embarcação ou uma lancha. Se preferir, procure uma agência de turismo pois várias delas em Aracaju tem este roteiro entre suas opções. Lá em Mangue Seco, além de conhecer o vilarejo, faça um passeio de bugre pelas dunas e escolha se prefere “com emoção” ou “sem emoção”, caso você seja cardíaco! 😀 Aproveite para caminhar e explorar a região, mas cuidado com as encostas, pois alguns locais ficam intransitáveis quando a maré enche. Se não quiser arriscar, é só ficar na praia, à beira mar. A estrutura local é simples e não costuma ter muita gente. Um roteiro realmente paradisíaco!

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

7º dia: a beleza de Laranjeiras – a pequena cidade de Laranjeiras é uma das mais antigas do estado e já foi grande pólo econômico de Sergipe no século XIX. Localizada há pouco mais de 20 Km de Aracaju, tal como São Cristóvão, você pode chegar até lá de carro ou pegar um ônibus na rodoviária nova (que fica próximo à saída de Aracaju) ou na velha (que fica no centro da cidade), o que vai mudar é o tipo de ônibus; mas, como já falamos, a passagem é bem baratinha! Chegando lá, procure o centro de informações turísticas e um guia para te acompanhar e mostrar o que a cidade tem de mais bonito. Tal como em São Cristóvão, muitos dos principais centros de turismo fecham às segundas; mas, caso visite a cidade num sábado, vai vivenciar a experiência de um dia de feira: a cidade fica muito mais cheia e colorida. É um diferencial! Mas, voltando as pontos turísticos,

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

além das igrejas com sua beleza arquitetônica e suas histórias, tem o museu afro-brasileiro, a casa do folclore, o museu de arte-sacra…Com um guia local será muito mais fácil passear pela cidade e ir até a igreja do Bom Jesus dos Navegantes, que fica no alto de uma colina, de onde é possível visualizar toda a cidade. Uma dica para quem vem à cidade em Outubro é verificar a data em que se realiza a festa de um dos folclores mais tradicionais da cidade “lambe-sujos X caboclinhos”: uma encenação em praça pública que recria o combate entre negros e índios na época dos engenhos. A participação popular faz o espetáculo ser ainda mais bonito.

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

8º dia: Pirambu e as tartarugas – o município de Pirambu, à 60 Km de Aracaju, começou a ser mais conhecido após a instalação da primeira base do projeto Tamar no Brasil. O projeto desenvolvido pela Petrobrás tem como foco a preservação das tartarugas marinhas. A base do projeto no município sergipano dá a possibilidade de conhecer mais sobre os animais e interagir com algumas espécies que são cuidadas no local. É comum a realização de eventos quando as pequenas tartarugas marinhas, chocadas com o auxílio dos pesquisadores do projeto, são devolvidas ao mar. A participação dos locais no desenvolvimento do Tamar é fundamental e faz com que todos contribuam na preservação da espécie marinha. Além do projeto Tamar, visitar Lagoa Redonda é parada obrigatória em Pirambu. O povoado possui um belíssimo litoral e paisagens que mesclam vegetações de variados tipos: dunas, riachos e uma praia de águas calmas e quentes descreve um verdadeiro paraíso desconhecido, até mesmo por grande parte dos sergipanos. Você pode ir até o município de carro ou de micro-ônibus, ou ainda entrar em contato com alguma agência de turismo para fazer o transfer até lá. Esta pode ser uma boa opção para quem quer ficar o dia todo na praia, tranquilamente, sem se preocupar com a volta.

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

9º dia: visitando a foz do São Francisco – Brejo Grande é o nome do município onde se pode ver a foz do Rio São Francisco e seu desembocar no oceano. Para chegar até lá, o trajeto de carro leva em torno de 2h, mas existem várias agências que fazem o transfer e já com o passeio de catamarã, que é a parte mais bonita do trajeto. O local ficou bem conhecido após a filmagem da película “Deus é brasileiro”, mas existem várias belezas na região, além do passeio até a foz; uma delas é o farol do povoado cabeço. O local era habitado por ribeirinhos que viviam da pesca, mas, com o passar do tempo, as águas do São Francisco tomaram conta do local e, hoje, o farol que era responsável por guiar os barcos que passavam pela região, está imerso nas águas e pode ser visto em meio à imensidão do encontro das águas. Uma imagem clássica do local! Aproveite o passeio para conhecer o artesanato de palha de ouricuri que é feito pelas mulheres da região, e levar uma lembrancinha de Sergipe para sua casa.

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

10º dia: de volta a Aracaju – este é um roteiro que pode ser feito em qualquer um dos outros dias, mas deixamos para o último dia, a fim de que você possa relaxar e voltar mais descansado em seu retorno pra casa. No primeiro roteiro em Aracaju, foi sugerida apenas a visitação dos locais no centro histórico, mas tem muitos outros espaços que valem a pena ser visitados na cidade. Os hóspedes do Celi Hotel tem uma vantagem: já estão na Orla de Atalaia, então, estão hospedados ao lado do ponto turístico mais famoso de Aracaju. A Orla reúne um arsenal de espaços de lazer e entretenimento para pessoas de todas as idades: o Maravilhoso Mundo da Criança para os pequenos, os lagos com pedalinhos para os maiores, o Oceanário para gente de todas as idades, quadras poliesportivas para os esportistas, centro de cultura e artesanato para comprar as famosas “lembrancinhas”, estátuas de grandes ilustres sergipanos para os que gostam de selfies…

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Sergipe

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Poxim

Enfim, são diversas opções que garantem momento de relaxamento e diversão; e alguns lugares excelentes para fazer belas fotos. Para quem estar de carro, dar uma volta pela cidade vai mostrar ainda mais da história e da vida do aracajuano. O antigo farol, localizado no bairro Farolândia, é um destes espaços. Reformado há alguns anos, possui um entorno com um cinturão verde que garante mais charme ao local. Mas, se você quer mesmo um lugar verde para aproveitar o dia, o Parque dos Cajueiros fica à margem do rio Poxim e possui um espaço excelente para garantir a diversão das crianças; o Parque da Cidade, fica na zona norte e tem como atrações principais um pequeno zoológico e o teleférico, que proporciona um excelente passeio e uma belíssima vista da cidade; já o Parque Augusto Franco, mais conhecido como Parque da Sementeira, é ideal para um passeio de bicicleta ou um para um pique-nique. Próximo a este parque, o calçadão da 13 de Julho é palco das caminhadas diárias de muitos aracajuanos que buscam manter uma atividade esportiva diariamente. No local, é possível encontrar um mirante que te garante uma bela vista do Rio Sergipe e do entorno da região. Apesar de serem em lugares bem distintos, todos este pontos podem ser facilmente visitados. Existe transporte público municipal para se chegar a todos eles e, de carro, são poucos minutos necessários para sair de um lugar para o outro. Se preferir tirar o dia de folga e ficar num lugar só, vai ter que tirar na sorte!

Visite p Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

Visite o Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

É isso, pessoal!

Como puderam ver, são sugestões de roteiros, opções de lugares para visitar e conhecer. Eles foram feitos com base nos horários de funcionamento dos locais sugeridos para visitação e dos passeios sugeridos. Não precisam ser seguidos, mas, se forem e dependendo do dia da semana, lembre-se sempre de consultar os horários e valores para acesso a alguns deles. Espaços como o Museu da Gente Sergipana, por exemplo, abre diariamente e é gratuito; enquanto o Museu de Arte Sacra de São Cristóvão não abre às segundas e paga uma taxa. Não informamos os valores pois eles podem mudar sem que sejamos informados. Além disso, caso você passe mais tempo por aqui, lembre-se que tem muitos outros lugares que indicamos conhecer e que vamos colocar em outras postagens futuramente. Em breve, um novo roteiro mais curtinho mas cheio de novidades também! Até lá!

Fotos: Infonet, Turismo Sergipe, Sergipe TradeTour, Centro de Convenções de Sergipe, Agência Sergipe de Notícias e acervo pessoal

Estamos em férias!

Calma pessoal! Passamos uma semaninha sem postar novidades, mas nós, do Celi Hotel, não estamos em férias, não. Ainda assim, não há contradição com o título deste post. Vamos explicar: durante o mês de Julho, recebemos um grande número de hóspedes em férias. Pois é! Tal como nos meses de Dezembro e Janeiro, este é um mês em que recebemos muitas pessoas que vem à lazer e com foco no turismo conhecer o nosso estado. Nos demais meses é comum este público dividir um espaço maior com aqueles que vem à serviço e hospedam-se conosco pela comodidade e atendimento que encontram aqui. Tudo explicado?! Então, vamos deixar a ressaca dos festejos juninos que movimentaram bastante todo o estado durante o mês de Junho e seguir em frente, porque temos muito o que fazer durante estas férias de Julho aqui em Sergipe!

Em Aracaju, roteiros pequenos e bem articulados garantem ao turista conhecer boa parte da cidade e seus principais pontos turísticos

Em Aracaju, roteiros pequenos e bem articulados garantem ao turista conhecer boa parte da cidade e seus principais pontos turísticos

Mas, não é todo mundo que tem o mês inteiro de férias; às vezes, são apenas alguns dias ou poucas semanas. Outros, que terão mais tempo de descanso, aproveitam para vir ao nordeste e desbravar as belezas de toda a região; neste caso, seu tempo em Sergipe pode ser curto, mas é possível que seja muito bem aproveitado. Para isto, nossos próximos posts serão úteis, a fim de que você possa organizar sua viagem. Nos próximos dias, vamos dar dicas de roteiros para aqueles que vem à Sergipe ou para quem está apenas de passagem – e isto pode ser bem comum, principalmente no caso de quem está fazendo uma viagem com vários destinos.

Então, vamos destacar aqui os pontos mais famosos de Aracaju e as cidades de maior relevância no interior do estado, o que é interessante para conhecer se sua viagem for muito curta ou se tiver tempo de sobra, como chegar até os locais… enfim, você vai receber diversas informações para saber exatamente o que fazer e onde ir antes mesmo de chegar aqui! Claro, que isto vai depender da sua disposição e dos dias da semana em que estará por aqui, pois, pode acontecer de um ou outro programa ter que ser feito num dia específico por conta dos horários de funcionamento de alguns espaços turísticos.

Além disso, caso já conheça o estado ou, pelo menos, a capital sergipana, você pode trocar alguma das indicações por algo que ainda não conheça ou passar mais tempo num lugar que te interesse mais. Nossa intenção é contribuir para que você saiba mais sobre nossa cidade e nosso estado, que é a premissa fundamental deste blog. Em postagens anteriores, você poderá visualizar também algumas informações específicas sobre lugares que já comentamos. Enfim, à partir da próxima semana, serão definidos 5 roteiros diferentes: roteiro de 1 dia – para quem está de passagem, roteiro de 3 dias – um fim de semana em Aracaju, roteiro de 5 dias – conhecendo Aracaju e cidades vizinhas, roteiro de 8 dias – um passeio por Sergipe, roteiro de 10 dias (ou mais!) – descobrindo Sergipe. Nosso próximo post será com o roteiro para 10 dias: assim, quem já está por aqui, ainda pode aproveitar algumas das nossas dicas e quem está pra chegar, já vai desembarcar por aqui com o destino traçado.

Veja qual o roteiro que se adapta melhor às suas necessidades e aproveite sua estada em Sergipe

Veja qual o roteiro que se adapta melhor às suas necessidades e aproveite sua estada em Sergipe

Como este é um espaço colaborativo, você que é sergipano ou que já conhece Sergipe, pode contribuir com comentários que nos auxiliem a formar o melhor roteiro para nossos turistas. Afinal, o bom de conhecer um novo lugar é escolher o seu espaço favorito. Ah, e não deixe de conferir em nosso site os valores com condições especiais para que você possa hospedar-se no Celi Hotel Aracaju, com todo o conforto e a qualidade que oferecemos, e os melhores valores da web. Clique aqui e confira as acomodações disponíveis para o período de sua viagem. Pronto! Reserva feita e roteiro na mão, é só embarcar nesta viagem de férias que promete ser inesquecível! Então, mãos à obra e até o próximo post com um roteiro para descobrir as belezas de Sergipe e que vai deixar aqueles que ainda não se decidiram por essa experiência com vontade de conhecer os encantos do nosso estado!

Fotos: Infonet, Turismo Sergipe

Em ritmo de festa!

São João passou deixando um rastro de muita alegria em todos os cantos de Sergipe. A noite de 24/06 teve muita festa e animação, além da chuva que caiu sobre Aracaju, mas que não apagou as fogueiras nem abrandou a felicidade do povo na comemoração de um dos seus grandes santos. E não acabou! São João já passou, mas São Pedro vem aí! O último dos santos juninos será comemorado na próxima segunda-feira, dia 29/06; mas, tal como São João, a festa já começa na véspera! Pra ser mais preciso, durante o mês de Junho, aqui a festa é uma só: de Santo Antônio à São Pedro, todos os dias são de muita animação por todo canto de Sergipe! Seja dentro de casa, em família, ou em praça pública, nos shows e apresentações, muita música e dança embalam as noites frias e chuvosas em Sergipe.

As festividades em alusão à São Pedro encerram os festejos juninos em Sergipe

As festividades em alusão à São Pedro encerram os festejos juninos em Sergipe

O santo que encerra as comemorações juninas compartilha a data com São Paulo; mas é Pedro que tem o grande destaque e que dá nome às festas, principalmente em algumas cidades do interior onde a tradição de festejar o santo é ainda maior. Em Capela, a data é comemorada com muita folia e, este ano, vai se estender até o mês de Julho; quando acontece o evento que encerra as festividades: a “festa do mastro”. Muito além de uma tradição, que já dura décadas, o evento é uma alegoria cultural à alegria do período junino!

Mas não é só Capela que tem festa de São Pedro. Em Aracaju, a data costuma encerrar as festividades nos principais arraiás da cidade; e este ano encerra também o encontro de cultura que está sendo realizado no Arraiá do Povo e no Gonzagão (confira essa programação aqui). Em Nossa Senhora do Socorro, há poucos minutos de Aracaju, o Forró Siri é uma festa grande que reúne grande atrações nacionais; tal como em Areia Branca, que vai ter festa no domingo e na segunda, que é dia do santo. Enfim, clique aqui e confira a programação de quem mantém a tradição de fazer das comemorações à São Pedro uma grande festa!

Os grandes arraiás de Aracaju encerram suas programações ao final do mês

Os grandes arraiás de Aracaju encerram suas programações ao final do mês

Aqui no Celi Hotel, continuamos com toda a decoração junina e com a degustação de itens típicos da culinária local até o final do mês de Junho. Então, se apresse que ainda dá tempo de viver toda a alegria dos festejos no conforto do nosso hotel. Se você já está programando suas férias de Julho, não esqueça que o São João termina em Junho mas a beleza da tradição permanece durante todo o ano aqui em Sergipe. Venha desvendar as belezas e a cultura de nosso povo. E vamos manter a alegria do São João para São Pedro ser ainda melhor! Ainda tem festa no arraiá e você é nosso convidado! Chegue mais!

Fotos: Infonet

De encher os olhos e dar água na boca

Vamos continuar nossas postagens destacando as festividades juninas até o final do mês, quando São Pedro fechar o período de festa; afinal, temos muito para falar sobre esta expressão autenticamente nordestina. E o assunto de hoje é o mais saboroso possível, pois é neste período onde mais se consomem as comidas típicas do Nordeste. Um bom cardápio junino reúne diversas opções de pratos, em sua maioria, com base de milho, coco e tapioca. E nem precisa de garfo e faca! Conhecer um pouco dessas guloseimas é saber mais sobre o povo da região. Então, preste bem atenção nesta postagem: você vai ficar com água na boca!

A culinária junina tem como principal elemento o milho que é plantado no dia de São José

A culinária junina tem como principal elemento o milho que é plantado no dia de São José

Como dito acima, grande parte das comidas do período junino tem como base o milho. E a tradição sobre esta comida se inicia bem antes do dia de São João. Afinal, o milho costuma ser plantado no dia de São José, 19/03; pois, segundo a tradição, se chove neste dia, a colheita será boa durante o mês de Junho. Isso garante uma venda lucrativa para os produtores e uma mesa farta para todos: os que produzem e os que vão se deliciar com o produto da colheita!

E o milho é consumido de todo jeito: cozido, assado (até mesmo na brasa da fogueira), tem bolo de milho, bolo de fubá (que é a farinha do milho), pamonha, além de dois itens muito comuns por aqui mas que confundem os turistas com seus nome diferentes: a canjica, que muitos chamam de curau, e o mungunzá, que se parece com o que alguns conhecem por canjica! Achou confuso? É a regionalização que faz tudo ser diferente neste país continental. Mas, te damos uma dica: vem pra Aracaju experimentar essas delícias e você vai descobrir a diferença na prática. E não existe jeito melhor de reconhecer estas delícias que não seja pelo sabor de cada uma delas.

Ah, e quase esquecemos do pé-de-moleque: o que, para muito é um doce com amendoim, aqui é uma massa de

Arroz doce, canjica e mungunzá são alguns dos pratos mais consumidos pelos turistas

Arroz doce, canjica e mungunzá são alguns dos pratos mais consumidos pelos turistas

tapioca (também conhecida como “puba” e coco, assada na palha da bananeira. Afinal, não é só de milho que se vive no São João: o coco e a tapioca também são base de receitas muito tradicionais e que fazem o maior sucesso por aqui. O beiju, que atualmente se tornou bem conhecido em todo o país, ganha as mais diversas variações: o beijú-molhado, mistura a massa com o leite de coco, que dar um sabor doce à receita; já o sarolho, onde a tapioca se une ao coco ralado, com um sabor mais salgado e textura seca; enquanto o malcasado fica no meio do caminho: nem muito salgado e nem muito doce, nem tão molhado nem tão seco. É como a gente disse: só experimentando pra saber. E com tantas opções, vai ser difícil você escolher o mais gostoso!

Existem ainda outras comidinhas que são comuns no cardápio junino: o arroz-doce, a queijada, o bolo de macaxeira (ou mandioca, ou aimpim – a depender de onde você more, a raiz pode ter nomes diferentes, mas aqui é macaxeira, não esqueça!) e o de puba; além de aperitivos como o amendoim cozido e as castanhas, estes muito comuns no estado durante todo o ano. E que acompanham bem quentão e os licores, que são as bebidas mais consumidas em Sergipe durante o São João. Jenipapo, uva-passa e até a queridinha sergipana mangaba são algumas das frutas utilizadas como base destas bebidas que prometem esquentar a noite do pouco rigoroso inverno nordestino.

No Celi Hotel, os hóspedes vão se deliciar experimentando os pratos típicos da culinária junina com um cardápio especial

No Celi Hotel, os hóspedes vão se deliciar experimentando os pratos típicos da culinária junina com um cardápio especial

Ficou com água na boca? Então, saiba que no Celi Hotel, durante todo o mês de Junho, temos uma verdadeira degustação dessas delícias. Além de saborear algumas destas iguarias durante o café da manhã, nossos hóspedes terão um cardápio especial durante a semana do São João, com cinco pratos típicos diferentes por dia! Você vai se hospedar com conforto e qualidade, em frente à Orla de Atalaia, e ainda vai experimentar o melhor da culinária mais tradicional do estado sem precisar sair do hotel. Dessa vez, a gente caprichou para oferecer o melhor do período junino aos nossos hóspedes.

E não pense que acabou! São João está chegando e na próxima semana o Celi Hotel vai fazer uma surpresa junina para seus hóspedes! Essa festa tem mesmo muito sobre o que falar ou “dá pano pra manga”, como dizem por aqui. Continue conectado com o Celi Hotel Aracaju através do nosso blog ou nas redes sociais. Acesse nosso facebook e o instagram para conferir todas as novidades do hotel e acompanhar de perto a surpresa que estamos preparando. Deixe seu comentário com sugestões e comente sobre o que deseja saber ou ver por aqui. Estamos prontos para te receber e informar sobre o que Sergipe tem de melhor para oferecer; e nossa culinária, sem dúvidas, é uma das boas surpresas que você encontra por aqui! Em breve, tem mais sobre São João. Anavantou!