Pra ficar com vontade: roteiro de 3 dias para conhecer Aracaju!

Mais uma semana, mais um roteiro!

E este é um daqueles que deixa a gente com “água na boca”; afinal, 3 dias é só pra conhecer o básico, né?! Nossa sugestão é que o roteiro nestes três dias se concentre em Aracaju, mas nós sabemos que é muito difícil vir até aqui e não passar um dia em Xingó, ou mesmo conhecer a Serra de Itabaiana e o Parque dos Falcões. É como sempre deixamos claro: você pode aproveitar todos estes roteiros sugeridos e fazer um novo: o seu roteiro particular. Nossa intenção é dar as dicas e fazer você descobrir coisas e lugares que talvez não conheça ou organizar melhor seu tempo para otimizar a viagem e aproveitar para ver muito mais. Então, vamos para nosso penúltimo roteiro? Seja durante a semana ou num fim de semana prolongado, estas dicas vão te deixar com ainda mais vontade de vir conhecer Aracaju! Vamos lá!

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

A Orlinha do Bairro Industrial serve como mirante para o Rio Sergipe e a ponte Aracaju/Barra

1º dia: Pelas ruas de Aracaju – os hóspedes do Celi Hotel e grande parte dos turistas que vem à Aracaju ficam hospedados na Orla de Atalaia. Este é nosso ponto turístico mais conhecido e onde estão situadas as principais hospedagens da cidade. E, como é comum muitos turistas virem à Aracaju em finais de semana com feriados prolongados, nosso roteiro de hoje vem com esta proposta: um fim de semana tranquilo em Aracaju. Então, vamos começar de forma bem tranquila visitando o Parque José Rollemberg Leite, mais conhecido como Parque da Cidade. Situado na zona norte da cidade, o parque abriga um mini zoológico com um lago e um teleférico que é a grande atração do local. No passeio, contemple a bela vista aérea do parque e de todo o seu entorno. Já com os pés no chão, visite  as espécies animais presentes no local, faça uma caminhada para desvendar todas as áreas do parque ou mesmo um pique-nique com a família. Como o parque funciona diariamente, esta é uma boa opção para qualquer dia. Saindo de lá, não deixe de dar uma passadinha na Colina do Santo Antônio e conhecer a igrejinha que fica no alto da colina. O mirante permite que se tenha uma bela visão de toda a zona norte da cidade. Depois disso, que tal ir almoçar pelo centro histórico? Já falamos do marcado Thales Ferraz, que possui restaurantes com opções de comida caseira e regional. Mas, se preferir um lugar diferente e bem pertinho do mercado mas longe de muito tumulto, a Orlinha do Bairro Industrial é uma boa opção. O calçadão foi construído e urbanizado em conjunto com a ponte Construtor João Alves, também conhecida como Ponte Aracaju/Barra, que liga a capital ao município de Barra dos Coqueiros. Com isto, a região ganhou maior valorização e um atrativo turístico, além da melhoria na infraestrutura dos restaurantes, que já atraíam os locais e agora também recebe turistas. Além da tranquilidade do lugar, a vista do rio com certeza vai ser um diferencial para a sua refeição ser ainda melhor. O local também é muito agradável para uma caminhada e fica há alguns metros do Mercado Thales Ferraz. Então, se preferir almoçar pela Orlinha, você pode seguir depois em direção ao mercado e conhecer as opções de lembrancinhas, peças de artesanato, esculturas em cerâmica e muito mais! Ouvir um chorinho ou uma roda de samba pelos corredores é sempre muito possível. Se quiser experimentar um pouco da gastronomia popular, visite o Espaço do Beiju, dentro do próprio mercado. Lá você vai comprar a iguaria ou degustá-la das mais variadas formas e produtos que são tradicionais em todo o estado. Visitar o mercado normalmente faz o turista perder a noção do tempo, mas lembre-se que você tem apenas 3 dias para explorar a cidade. Então, se apresse e conheça o Espaço Zé Peixe e o Centro Cultural de Aracaju, que ficam bem próximos do mercado. Mas lembre-se de confirmar os horários de funcionamento. O Centro Cultural, por exemplo, não abre aos finais de semana; além disso, alguns destes espaços podem fechar em dias de feriados nacionais. Fique atento! Cansou? São muitas opções para um único dia, mas vale a pena tentar cumprir todo o roteiro. À noite, você descansa para recobrar as forças para o dia seguinte! Para os hóspedes do Celi Hotel, um relax à beira da piscina cai bem! 😉

O entardecer na Orla Por do Sol ao som da sanfone de Valtinho do Acordeon é imperdível

O entardecer na Orla Por do Sol ao som da sanfone de Valtinho do Acordeon é imperdível

2º dia: Aracaju à beira mar – que tal começar o segundo dia na praia? Passeando pela Orla de Atalaia, você vai encontrar diversas opções de lazer para todas as idades: o Centro de Arte e Cultura J. Inácio, o Oceanário de Aracaju, a Feira do Turista, os lagos, o Maravilhoso Mundo da Criança, as quadras de esportes (tênis, vôlei, basquete…), pista de skate, kartódromo… tudo isso e muito mais ao longo dos 6Km bem urbanizados que beiram o mar da Praia de Atalaia. Se quiser fazer compras ou conhecer todos estes locais, talvez você tenha que deixar um dia inteirinho só para isso. Mas, otimizando seu tempo, dá pra conhecer estes lugares em um turno, pela manhã e durante à tarde, depois de almoçar no Celi Hotel, seguir em direção à Orla Pôr do Sol para um passeio de barco para a Crôa do Goré e a Ilha dos Namorados. Este sim é um passeio para ser feito aos sábados, afinal, este é o dia em que a Orla do rio Vaza-Barris fica mais movimentada e quando o por do sol recebe trilha sonora: um sanfoneiro toca ao entardecer enquanto você pode degustar a beleza do sol sumindo por detrás dos coqueiros à outra margem do rio. Se descrever a cena já é bonito, ver in loco é imperdível! Uma feirinha é montada no local e atrações regionais fazem a festa de quem vê a noite adentrar mas não se deixa abater pelo cansaço do dia. Então, este programa é obrigatório, qualquer que seja o seu roteiro. Se quiser saber mais sobre o passeio à Crôa e a Ilha dos Namorados, confira o nosso roteiro de 10 dias e veja 2º dia: Aracaju para relaxar

O memorial Jenner Augusto fica dentro do restaurante Cacique Chá, na praça Olímpio Campos

O memorial Jenner Augusto fica dentro do restaurante Cacique Chá, na praça Olímpio Campos

3º dia: vivendo Aracaju – só mais um dia para deixar a cidade e você ainda tem tanta coisa pra ver. É comum o pessoal voltar pra algum lugar que foi e gostou, ou que estava fechado e não foi possível visitar. Independente disso, aproveite para conhecer mais alguns locais que fazem parte da cidade para sentir-se um verdadeiro aracajuano. Pela manhã, uma caminhada pelo Parque Augusto Franco, também conhecido como Parque da Sementeira, vai te encher de energia para aproveitar o dia. Se estiver em família, as crianças vão gostar de visitar o Parque Governador Antônio Carlos Valadores, chamado de Parque dos Cajueiros: brinquedos lúdicos, quadras esportivas, ciclovia e muito mais, à margem do rio Poxim, com um deck que é comumente utilizado para pescarias. Próximo ao parque, no bairro Farolândia, o antigo farol de Aracaju é uma bela atração que foi recentemente restaurado. Não falamos dele em nenhum dos roteiros anteriores mas já fizemos uma postagem exclusiva sobre este farol. É só clicar aqui para conferir. Depois disso, que tal voltar para o centro da cidade e conhecer o que não deu tempo para ver no primeiro dia? Descendo pela beira mar, você passa pelo calçadão da 13 de Julho: um local muito frequentado pelos esportistas amadores que utilizam-se do belo espaço urbanizado para fazer caminhadas, corridas, atividades aeróbicas ou mesmo conferir algum dos eventos que costumam ser feitos no local. Um mirante no início do calçadão permite oferece uma visa de 360° do entorno do local: de um lado o rio com o mar e do outro toda a cidade. Indo para o centro histórico você ainda vai conhecer lugares muito interessantes. O Museu Palácio Olímpio Campos na Praça Fausto Cardoso possui um acervo belíssimo e centenário da história de Sergipe. A Ponte do Imperador, um atracadouro que fica em frente à praça te proporciona belas fotos tal como se estivesse dentro do rio.

O vocabulário autêntico do povo sergipano também é pauta no Museu da gente

O vocabulário autêntico do povo sergipano também é pauta no Museu da gente

Mais à frente o Museu da Gente Sergipana é parada obrigatória para quem deseja conhecer a rica cultura do nosso estado de forma moderna e interativa. O museu, que já ganhou alguns prêmios em seus quatro anos de existência, é o xodó dos sergipanos e dos turistas que se encantam com o local. Caso esteja próximo do horário do almoço e você queira fazer a refeição antes de começar o passeio, o restaurante Cacique Chá fica na praça Olímpio Campos, onde você também pode visitar a catedral metropolitana e uma feirinha de artesanatos, e é um antigo restaurante que foi recentemente reformado e atualmente é mantido pelo SENAC. Lá, além da refeição, você vai visualizar uma das obras de arte mais famosas do artista plástico baiano, naturalizado sergipano, Jenner Augusto: um painel pintado diretamente na parede do restaurante que retrata cenas indígenas, baseada na bravura dos índios brasileiros. O local, após a reforma, também possui um espaço dedicado ao artista plástico Jenner Augusto: o memorial que leva o nome do artista tem itens do acervo pessoal, fotos, livros, entre outros diversos. Daí, você pode seguir para a Praça Fausto Cardoso e para o Museu-Palácio Olímpio Campos, que fica logo à frente. Além do museu, que era o antigo palácio do governo do estado, coretos, estátuas e um paisagismo que inclui palmeiras centenárias dão um aspecto retrô ao local. À frente da praça, não deixe de fazer uma foto da Ponte do Imperador, e siga para o Museu da Gente Sergipana. Primeiro centro interativo do nordeste, este museu apresenta a diversidade do estado em sua fauna e flora, cultura, artesanato, arquitetura e até no vocabulário. Você vai descobrir o que é brefaia, puba e atufaiar! Um passeio divertido, cultural e que vai fazer você conhecer mais todo o estado e sentir-se em casa!

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Faça sua reserva no Celi Hotel com tarifas promocionais apenas pela web

Depois de tudo isso em tão pouco tempo, só resta arrumar as bagagens para voltar pra casa e torcer para que o próximo feriadão chegue logo para voltar à Aracaju e conhecer outros lugares, além das cidades do interior de Sergipe e das praias que já comentamos aqui. Existem muitas outras que não entraram em nenhum desses roteiros, mas muita coisa você vai descobrir quando chegar a um determinado lugar, porque ele te leva a outro, e a outro depois dele… e assim você vai ter a certeza de que, por mais que a gente defina um roteiro, isto é só uma parte de tudo o que você vai descobrir por aqui. Depois de vir a primeira vez, voltar não é apenas uma opção: é um desejo! Então, para aproveitar o primeiro feriadão deste segundo semestre, clique aqui e confira as tarifas para passar o 7 de setembro no Celi Hotel Aracaju. O período ideal para vir a Aracaju e fazer este roteiro. Próxima semana, vamos postar nosso último roteiro: um dia em Aracaju, para aqueles que vem à trabalho e tem um dia de folga, ou vão pernoitar na cidade, ou estão de passagem indo visitar alguém em outro lugar e resolveu parar aqui para saber porque falam tanto da cidade. Tem muita gente por aqui que conheceu a cidade assim. Veio uma vez e não quis mais sair. Você pode ser o próximo! 😀

Até breve!

Fotos: Infonet, A8, Sergipe Trade Tour e acervo pessoal

Descubra Sergipe: roteiro de 10 dias ou mais para conhecer as belezas do nosso estado

Olá pessoal!

Como prometido, começamos hoje a série com roteiros para você aproveitar ao máximo sua viagem para Sergipe. A nossa intenção não é montar um roteiro fixo para ser seguido. Tudo o que você pretende fazer vai depender do período que estará por aqui, dos horários de funcionamento de alguns locais, do meio de transporte que será utilizado, e, principalmente, da sua disposição para otimizar seu tempo e fazer tudo o que estamos sugerindo. Este é o maior roteiro de todos que montamos; então, lembre-se que mesmo que você passe mais de 10 dias aqui em Sergipe, pode querer repetir algum passeio ou, caso não seja sua primeira vinda, visitar lugares menos turísticos, que não estão neste roteiro, e se tornar um pouco mais “sergipano”.

Então, vamos começar?

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

Museu da Gente Sergipana é o primeiro centro multimídia do nordeste

1º Dia: Aracaju turística – como este é um roteiro longo, damos a oportunidade de dividir o passeio em Aracaju em mais de um dia. Então, neste primeiro dia na capital sergipana, acorde cedo e, depois de um café da manhã reforçado no Celi Hotel, aproveite para visitar o centro histórico. Conheça a catedral metropolitana, na praça Olímpio Campos, e a feirinha de artesanato. Uma outra opção para quem gosta dos trabalhos manuais é visitar o prédio ao lado que abriga a Rua do Turista / Centro de Turismo: uma estrutura de mais de 100 anos criada para ser um colégio mas que, atualmente, abriga dezenas de trabalhos de artesanatos tradicionais produzidos no estado. Saindo de lá, na Praça Fausto Cardoso (que fica em frente à Praça Olímpio Campos), você vai ver uma alameda com palmeiras do tempo do império e, mais à frente, a “Ponte do Imperador”, um atracadouro que avança pelo Rio Sergipe, que foi construído na época em que D. Pedro veio visitar a antiga colônia. Na praça, um ponto de parada obrigatório é o Museu-Palácio Olímpio Campos: um lugar para conhecer e se encontrar com o passado do nosso estado. Procure informações sobre a visita guiada para aproveitar mais o local. Seguindo pela Av. Ivo do Prado, poucos metros de distância dali, você vai encontrar o Museu da Gente Sergipana. A interatividade é a grande marca deste espaço que fala sobre as belezas do estado e a cultura do nosso povo. Não deixe de visitar! Se, a esta altura, você já estiver com fome, você pode ficar e almoçar no próprio Café do Museu ou ir em direção ao mercado central e comer num dos restaurantes locais com vista para o rio. Independente da sua opção, após o almoço, vale a pena passear tranquilamente pelo mercado de artesanato e comprar algumas das lembrancinhas que vão encantar os parentes e amigos no seu retorno à casa. Feitas as comprinhas, volte margeando o rio e você vai encontrar dois dos mais novos espaços de cultura da cidade: o Espaço Zé Peixe e o Centro Cultural de Aracaju. Aí, fica a sua escolha em qual deles você vai primeiro, mas, se nos permite uma sugestão: visite a Casa de Cultura e conheça as exposições permanentes e diversas informações sobre a cidade.

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

A igreja de Santo Antônio fica no alto da colina e tem um mirante com belíssima vista da cidade

Depois, vá ao Espaço Zé Peixe e conheça mais sobre este homem que se tornou um mito na cidade (já falamos sobre ele aqui), e aproveite para fazer um lanchinho no local, afinal, não dá pra desperdiçar a vista do rio, não é? Apesar de ser um roteiro extenso para um dia, você consegue, de uma única vez, visitar os principais museus da cidade e conhecer os pontos turísticos do centro da cidade. E o melhor é que tudo pode ser feito à pé! A caminhada mais extensa, do Museu da gente Sergipana até o Mercado Thales Ferraz dura em torno de 15 min, caminhando tranquilamente e apreciando a brisa do rio. Se estiver de carro, ao final do dia, ainda sugerimos uma visitinha à colina do Santo Antônio: o bairro onde a cidade foi fundada tem uma bela igrejinha cuja praça se tornou um mirante, onde se avista grande parte da Aracaju antiga e da Barra dos Coqueiros, bem como a ponto que liga os dois municípios. A vista vai te impressionar! Com certeza, depois desse dia intenso, uma boa ducha e uma cama quentinha no Celi Hotel serão a melhor pedida da noite!

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

A crôa do goré é um banco de areia em meio à imensidão do encontro dos rios

2º Dia: Aracaju para relaxar – caso você tenha realizado o roteiro do primeiro dia tal como o descrevemos, pode se acordar cansado e pensando em tirar o dia de folga para conhecer a praia. Então, nossa sugestão é que você aproveite para acordar mais tarde, tome o seu café com calma, aproveite o som ao vivo que só o Celi Hotel te oferece, e, se estiver um belo dia de sol, aproveitar a piscina ou ir à praia. Mas, a grande atração do dia será um passeio à Crôa do Goré: um banco de areia que se forma no meio do rio Vaza-Baris.

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

É da Orla Por do Sol que saem os passeios para a crôa e é de lá o melhor fim de tarde da cidade

O passeio pode ser feito pela manhã ou à tarde. Aqui, sugerimos que você faça à tarde, para aproveitar o fim de tarde num dos pontos turísticos mais bonitos da cidade: a Orla Por do Sol, de onde saem e para onde voltam o catamarã que leva até a crôa. Aos sábados, às 17h, um sanfoneiro faz a trilha sonora para o entardecer, e uma feirinha de artesanato e comidas típicas é a opção do local para você degustar alguns sabores regionais.

3º dia: aventura na serra – tá bem descansado, não é? Então, que tal um dia de aventura? A Serra de Itabaiana é parque ecológico que abrange quatro municípios, além deste que dá nome ao local. Apesar de ser aberto ao público em geral, o ideal é que você possa agendar sua ida junto a uma empresa que possua instrutores treinados e capazes de te auxiliar durante a subida.

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

Fazer uma trilha pela serra de Itabaiana é entrar em contato com a natureza

O lugar possui dezenas de córregos e cachoeiras, além do famoso Poço das Moças, um escavação rochosa onde desemboca um dos braços de córregos e que faz a alegria daqueles que banham-se no local.Para quem gosta de trilha, a serra é uma ótima opção e reserva uma linda vista para aqueles que concluem o passeio até o ponto mais alto do parque. Lá próximo existe ainda o Parque dos Falcões: um local que transformou-se num instituto de proteção a estes animais, graças à dedicação do seu fundador (que ainda hoje reside no local). Este promete ser um roteiro muito divertido e cheio de emoção! Depois disso, só mesmo voltar para o Celi Hotel e jantar no restaurante Maramar para recompor as energias perdidas ao longo do dia.

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

O passeio à Xingó é, sem dúvida, o mais procurado do estado: algo único em todo o país

4º dia: navegando entre as rochas – esse é um dos roteiros mais buscados pelos turistas que vem à Sergipe. O cânion de Xingó fica a pouco mais de 200 Km de Aracaju e por este motivo é um passeio para um dia inteiro, contando o tempo de ida/volta até o município de Canindé, onde se encontram as formações rochosas. Quinto maior cânion navegável do mundo, esta é uma parada obrigatória para quem quer descobrir um lugar como não há outro no país. Para chegar até o local, as melhores opções são: ir de carro ou comprar o pacote completo em uma agência de receptivo, que inclui o transfer, o passeio de catamarã e almoço num dos restaurantes locais. Durante o dia, você vai se deslumbrar com as formações rochosas e as águas claras do Rio São Francisco em sua forma mais bela. Um dos momentos mais esperados é a parada para o banho no meio do “Velho Chico” e um passeio num pequeno barco que te levará para dentro das formações rochosas. Se você for de carro e tiver um dia a mais, experimente ficar hospedado em Canindé e, no dia seguinte, fazer uma trilha pela Rota do Sertão até a grota de Angico, onde foi enterrado o cangaceiro mais famoso do nordeste: Virgulino Ferreira, o Lampião. A Sílvia, do blog Matraqueando, fez um relatório muito bacana sobre sua experiência, confira clicando aqui. Ah, e caso você tenha apenas um dia mesmo, tenha certeza que, conhecer o Cânion de Xingó vai te garantir o momento mais deslumbrante da viagem e fôlego novo para os próximos dias.

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

A Praça São Francisco, em São Cristóvão, foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade

5º dia: visita ao Patrimônio da Humanidade – em 2010, o complexo que compõe a Praça São Francisco, na cidade de São Cristóvão, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade. A antiga capital sergipana é a quarta cidade mais antiga do país e possui um belíssimo acervo arquitetônico e cultural que vale a pena ser visitado. Há pouco mais de 20 Km de Aracaju, é fácil chegar até lá: de carro, a estrada está sinalizada e tem placas indicativas; de ônibus, você tem a opção de ir pelos intermunicipais ou pelos micro-ônibus de cooperativa de transporte (seja qual for sua opção, a passagem tem um valor bem baratinho!). Seja qual for sua opção, nossa sugestão é que você explore bastante a região andando à pé pelas ruas, conhecendo as pessoas e visitando as igrejas. Em frente à Praça São Francisco, o Museu de Arte Sacra e o Museu Histórico de Sergipe são paradas obrigatórias. Este último foi o primeiro museu da cidade e possui um acervo que reúne peças raras do período imperial no estado. Já o Museu de Arte Sacra é o mais importantes do país: possui aproximadamente 500 peças catalogadas e já teve seu acervo retratado em livro, preciosidades e grande relíquia na história da cultura sergipana. Existe ainda o chamado “Museu dos ex-votos” que reúne peças deixadas por devotos de N. Sr. do Passos, que é o santo mais celebrado no município. Uma enorme festa celebrada sempre no segundo final de semana após a quarta-feira de cinzas, possui mais de 200 anos e atrai milhares de pessoas de todos os lugares do estado. Se você vier à Sergipe neste período, vale a pena conhecer! Além dos museus, São Cristóvão possui ainda diversas igrejas, com arquitetura e histórias peculiares. Mas, lembre-se de checar os valores para entrada (que não costumam ser altos) e os horários de funcionamento: os museus não abrem às segundas! Então, é melhor fazer esse roteiro num outro dia da semana. Ah, se for de carro, além de andar pelas ruas da cidade histórica, você poderá visitar a estátua do Cristo que fica alguns quilômetros próximo à entrada da cidade. Tudo bem, ele não fica sobre a baía de Guanabara e nem é tão alto como o carioca, mas sua inauguração data de 1926, que foi quando se iniciou a construção do Cristo do Rio de Janeiro. O acesso ao local é gratuito e o fim de tarde visto de lá costuma ser muito bonito.

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

O passeio de bugre pelas dunas de Mangue Seco é emocionante de qualquer jeito

6º dia: andando pelas dunas de Tieta – foi logo após a gravação da novela de Tieta, nos anos de 1990 que o pequeno povoado de Mangue Seco ficou nacionalmente conhecido. Apesar de habitar em terras baianas, sua travessia mais comum é feita partindo de Sergipe, mas precisamente de Porto do Cavalo, no município de Estância. Para chegar até o local, é comum ir de carro e fazer a travessia para Mangue Seco em uma pequena embarcação ou uma lancha. Se preferir, procure uma agência de turismo pois várias delas em Aracaju tem este roteiro entre suas opções. Lá em Mangue Seco, além de conhecer o vilarejo, faça um passeio de bugre pelas dunas e escolha se prefere “com emoção” ou “sem emoção”, caso você seja cardíaco! 😀 Aproveite para caminhar e explorar a região, mas cuidado com as encostas, pois alguns locais ficam intransitáveis quando a maré enche. Se não quiser arriscar, é só ficar na praia, à beira mar. A estrutura local é simples e não costuma ter muita gente. Um roteiro realmente paradisíaco!

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

A Igreja do Bomfim em Laranjeiras fica no alto de uma colina de onde se avista quase toda a cidade

7º dia: a beleza de Laranjeiras – a pequena cidade de Laranjeiras é uma das mais antigas do estado e já foi grande pólo econômico de Sergipe no século XIX. Localizada há pouco mais de 20 Km de Aracaju, tal como São Cristóvão, você pode chegar até lá de carro ou pegar um ônibus na rodoviária nova (que fica próximo à saída de Aracaju) ou na velha (que fica no centro da cidade), o que vai mudar é o tipo de ônibus; mas, como já falamos, a passagem é bem baratinha! Chegando lá, procure o centro de informações turísticas e um guia para te acompanhar e mostrar o que a cidade tem de mais bonito. Tal como em São Cristóvão, muitos dos principais centros de turismo fecham às segundas; mas, caso visite a cidade num sábado, vai vivenciar a experiência de um dia de feira: a cidade fica muito mais cheia e colorida. É um diferencial! Mas, voltando as pontos turísticos,

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

O Lambe-sujo é uma das representações folclóricas mais conhecidas e apreciadas da cidade

além das igrejas com sua beleza arquitetônica e suas histórias, tem o museu afro-brasileiro, a casa do folclore, o museu de arte-sacra…Com um guia local será muito mais fácil passear pela cidade e ir até a igreja do Bom Jesus dos Navegantes, que fica no alto de uma colina, de onde é possível visualizar toda a cidade. Uma dica para quem vem à cidade em Outubro é verificar a data em que se realiza a festa de um dos folclores mais tradicionais da cidade “lambe-sujos X caboclinhos”: uma encenação em praça pública que recria o combate entre negros e índios na época dos engenhos. A participação popular faz o espetáculo ser ainda mais bonito.

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

Pirambu começou a despertar o interesse dos turistas após a chegada do Projeto Tamar, mas as dunas e a beleza da praia encantam ainda mais

8º dia: Pirambu e as tartarugas – o município de Pirambu, à 60 Km de Aracaju, começou a ser mais conhecido após a instalação da primeira base do projeto Tamar no Brasil. O projeto desenvolvido pela Petrobrás tem como foco a preservação das tartarugas marinhas. A base do projeto no município sergipano dá a possibilidade de conhecer mais sobre os animais e interagir com algumas espécies que são cuidadas no local. É comum a realização de eventos quando as pequenas tartarugas marinhas, chocadas com o auxílio dos pesquisadores do projeto, são devolvidas ao mar. A participação dos locais no desenvolvimento do Tamar é fundamental e faz com que todos contribuam na preservação da espécie marinha. Além do projeto Tamar, visitar Lagoa Redonda é parada obrigatória em Pirambu. O povoado possui um belíssimo litoral e paisagens que mesclam vegetações de variados tipos: dunas, riachos e uma praia de águas calmas e quentes descreve um verdadeiro paraíso desconhecido, até mesmo por grande parte dos sergipanos. Você pode ir até o município de carro ou de micro-ônibus, ou ainda entrar em contato com alguma agência de turismo para fazer o transfer até lá. Esta pode ser uma boa opção para quem quer ficar o dia todo na praia, tranquilamente, sem se preocupar com a volta.

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

O antigo farol do Povoado Cabeço está sendo submerso pela água do encontro do Rio São Francisco com o oceano

9º dia: visitando a foz do São Francisco – Brejo Grande é o nome do município onde se pode ver a foz do Rio São Francisco e seu desembocar no oceano. Para chegar até lá, o trajeto de carro leva em torno de 2h, mas existem várias agências que fazem o transfer e já com o passeio de catamarã, que é a parte mais bonita do trajeto. O local ficou bem conhecido após a filmagem da película “Deus é brasileiro”, mas existem várias belezas na região, além do passeio até a foz; uma delas é o farol do povoado cabeço. O local era habitado por ribeirinhos que viviam da pesca, mas, com o passar do tempo, as águas do São Francisco tomaram conta do local e, hoje, o farol que era responsável por guiar os barcos que passavam pela região, está imerso nas águas e pode ser visto em meio à imensidão do encontro das águas. Uma imagem clássica do local! Aproveite o passeio para conhecer o artesanato de palha de ouricuri que é feito pelas mulheres da região, e levar uma lembrancinha de Sergipe para sua casa.

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

O Maravilhoso Mundo da Criança é um parque em plena Orla de Atalaia

10º dia: de volta a Aracaju – este é um roteiro que pode ser feito em qualquer um dos outros dias, mas deixamos para o último dia, a fim de que você possa relaxar e voltar mais descansado em seu retorno pra casa. No primeiro roteiro em Aracaju, foi sugerida apenas a visitação dos locais no centro histórico, mas tem muitos outros espaços que valem a pena ser visitados na cidade. Os hóspedes do Celi Hotel tem uma vantagem: já estão na Orla de Atalaia, então, estão hospedados ao lado do ponto turístico mais famoso de Aracaju. A Orla reúne um arsenal de espaços de lazer e entretenimento para pessoas de todas as idades: o Maravilhoso Mundo da Criança para os pequenos, os lagos com pedalinhos para os maiores, o Oceanário para gente de todas as idades, quadras poliesportivas para os esportistas, centro de cultura e artesanato para comprar as famosas “lembrancinhas”, estátuas de grandes ilustres sergipanos para os que gostam de selfies…

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Sergipe

Parque dos Cajueiros encanta pelas opções e pela vista do Rio Poxim

Enfim, são diversas opções que garantem momento de relaxamento e diversão; e alguns lugares excelentes para fazer belas fotos. Para quem estar de carro, dar uma volta pela cidade vai mostrar ainda mais da história e da vida do aracajuano. O antigo farol, localizado no bairro Farolândia, é um destes espaços. Reformado há alguns anos, possui um entorno com um cinturão verde que garante mais charme ao local. Mas, se você quer mesmo um lugar verde para aproveitar o dia, o Parque dos Cajueiros fica à margem do rio Poxim e possui um espaço excelente para garantir a diversão das crianças; o Parque da Cidade, fica na zona norte e tem como atrações principais um pequeno zoológico e o teleférico, que proporciona um excelente passeio e uma belíssima vista da cidade; já o Parque Augusto Franco, mais conhecido como Parque da Sementeira, é ideal para um passeio de bicicleta ou um para um pique-nique. Próximo a este parque, o calçadão da 13 de Julho é palco das caminhadas diárias de muitos aracajuanos que buscam manter uma atividade esportiva diariamente. No local, é possível encontrar um mirante que te garante uma bela vista do Rio Sergipe e do entorno da região. Apesar de serem em lugares bem distintos, todos este pontos podem ser facilmente visitados. Existe transporte público municipal para se chegar a todos eles e, de carro, são poucos minutos necessários para sair de um lugar para o outro. Se preferir tirar o dia de folga e ficar num lugar só, vai ter que tirar na sorte!

Visite p Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

Visite o Centro de Informações ao turista na Orla de Atalaia e saiba mais sobre lugares e passeios

É isso, pessoal!

Como puderam ver, são sugestões de roteiros, opções de lugares para visitar e conhecer. Eles foram feitos com base nos horários de funcionamento dos locais sugeridos para visitação e dos passeios sugeridos. Não precisam ser seguidos, mas, se forem e dependendo do dia da semana, lembre-se sempre de consultar os horários e valores para acesso a alguns deles. Espaços como o Museu da Gente Sergipana, por exemplo, abre diariamente e é gratuito; enquanto o Museu de Arte Sacra de São Cristóvão não abre às segundas e paga uma taxa. Não informamos os valores pois eles podem mudar sem que sejamos informados. Além disso, caso você passe mais tempo por aqui, lembre-se que tem muitos outros lugares que indicamos conhecer e que vamos colocar em outras postagens futuramente. Em breve, um novo roteiro mais curtinho mas cheio de novidades também! Até lá!

Fotos: Infonet, Turismo Sergipe, Sergipe TradeTour, Centro de Convenções de Sergipe, Agência Sergipe de Notícias e acervo pessoal